Ferro de passar pensamento

Ilustração: J.D. Welch/Flickr.com

Deixei os edredons na lavanderia, acabou o inverno. No dia de buscá-los, esperando minha vez de ser atendida – a moça à minha frente retirava uma dúzia de vestidos, conferindo um por um –, prestei atenção à funcionária que passava as roupas lá dentro. Modo de dizer; eu a assisti. Penando sem empregada, me embasbaquei com sua destreza com o tailleur, invejei sua rapidez com a calça social. Acima de tudo, me espantei com sua serenidade diante da coleção de ternos amarfanhados que a aguardavam na fila. No quesito paciência, eu quis ser ela.

Logo entendi: ao seu dispor está uma engenhoca pós-moderna maior que o lavabo da minha casa, com um ferro esquisitão acoplado a uma prancha high-tech – que em nada lembram minha humilde tábua de passar adquirida no camelô e o Arno financiado em três vezes no cartão –, inflando e desinflando a um simples comando do seu pé. Ao fazer isso, a prancha suga a roupa sobre ela, deixando-a esticadinha, pronta para receber o vapor que a deixará perfeita. Braços especiais para mangas rebeldes, cabides e araras que colaboram e mantêm passado o que acaba de ser passado. Tecnologia de planeta mais avançado, evidentemente. Suspiro.

Puxei assunto, a conferência da cri-cri ia longe. Ela contou que passa uma camisa em quatro minutos. Num dia, chega a passar cinquenta. Perguntei se ela precisa de antidepressivos. Aplaudi ao vê-la lidar com o paletó, que parecia querer tirá-la para dançar, de tão gentil em suas mãos. Quis comprar a máquina, “Pago bem”. Pedi emprestada. Cogitei entrar para o mundo do crime. Depois me lembrei que ela não caberia na minha diminuta área de serviço.

Nem liguei para a dona que resmungava a cada vestido examinado (o plissado de um não tinha ficado bom, a gola de outro estava torta). Eu ficaria horas assistindo à passadeira, com o entusiasmo de quem presencia uma apresentação do Cirque du Soleil. Passar bem uma roupa é tão difícil quanto encarar o trapézio, tão mágico quanto um show de ilusionismo. E a lavanderia nem cobra ingresso.

Vinte minutos depois, saí equilibrando meus edredons. Ao enfiá-los no porta-malas, a revelação: ora, a passadeira está bem equipada, é por isso que tudo fica fácil. Seus apetrechos foram projetados para simplificar o seu trabalho. Doze horas de treinamento na franqueadora e, dali para frente, era mamão com açúcar.

***

Nem sempre me vejo equipada para a vida. Talvez por isso, às vezes, tudo pareça mais árduo. E se eu tivesse uma lavanderia na cabeça para deixar as ideias novinhas em folha? Um ferro de passar pensamento? Que eliminasse o vinco dos velhos hábitos, alinhasse as fibras emaranhadas das vontades doidas, desse vigor à costura diária das experiências. Uma ferramenta de viver, não de passar pela vida. De preferência, não tão implacável como ferro, nem tão suave quanto algodão. Sob medida, porém, para a vida no 220.

6 comentários sobre “Ferro de passar pensamento

  1. Encontrei seu blog exatamente pesquisando sobre essa abençoada tábua que infla. Outro dia minha cunhada Ana e eu , estávamos na região da 25 de março, quando no deparamos com a cena,(através de um vidro vimos uma moça passava uma camisa, parecia milagre). Ficamos ali uns segundos, e continuamos andar, alguns passos e decidimos voltar, para ter certeza que não estávamos vendo coisas, ficamos admirando a moça a passar roupas. E fomos embora com uma certeza precisamos de tábua dessas, não podemos mais viver sem ela, afinal passar roupas é meu tormento e aquela tábua parece resolver quase todo o problema rsrs. Bjs Silmara

    Curtir

  2. De um jeito ou de outro a gente passa… e passa sempre. Passa o tempo, passa a vida… passa as horas esperando o que não vem, passa o desejo de ter o que não quer ser seu, passa as dores pro baú do esquecimento, passa a mão na própria cabeça que já não tem o cafuné que necessita, passa os olhos na vida e vê que passando tanto, sem perceber, a gente não tem mais como passar a limpo a vida, depois do rabisco de ter errado tanto.

    Sil, acredite, sou fã de carteirinha da passadeira malabarista da lavanderia pra onde levo as minhas roupas. Paro no tempo quando percebo a agilidade daquelas mãos, ajudadas pela parafernália monstruosa que a rodeia.
    Achava que era só prazer em admirar outra pessoa trabalhando, mas vc me fez perceber o quanto aquilo tudo é muito mais do que simplesmente “passar”.
    Sempre te agradecendo, um bj, minha querida.

    Curtir

  3. Ahhh… ferro de passar pensamento…máquina de lavar ideias idiotas… manda ver dois de cada prá mim!
    Adorei teu texto!
    Bjs
    Marisa

    Curtir

  4. Sua história “desempregada” deveria render um filme:
    “Procura-se empregada desesperadamente!” (rs)
    Lembrei de uma amiga, esta semana, contando que experimentou uma máquina nova de combate à celulite: “é igual a um ferro de passar; vai passando a gente…” rs
    Levar a roupa pra lavar fora já me parece opção de quem desistiu da procura. Ao menos, valeu pela crônica! rs
    Abraço bem passado!

    Curtir

  5. Quantas vezes desejei a tecnologia pra minha própria vida? A rapidez, o “raciocínio lógico”, a certeza de que 1+1 só pode ser 2.
    Mas não dá, né? Só podemos fazer associações e graças a sabe-se lá quem por isso (nós mesmos, claro!).
    Tudo é incerto. Assim como a engenhoca pode quebrar, a força acabar ou a passadeira simplesmente meter a chave de fenda numa tarde de revolta salarial (eu daria tdo pra ver essa performance).
    O bom da vida é ver um ferro e ser transformado; ver um gato e saber que ele entendeu a poesia; fazer uma fotografia e saber que ela te salvou!
    Adoooooro vc!
    Si

    Curtir

  6. Que lindo Sil! Como seria fácil uma vida esticadinha alisada e cheirando a roupa passada… mas muitas vezes nos pegamos ruminando pensamentos velhos, amassando o passado de palavras mal lavadas… isso é triste. Junto com o ferro de passar pensamentos eu queria um daqueles borrifadores de água que fazem uma nuvensinha refrescante sobre a roupa (ou sobre os pensamentos) antes de passá-los… seria uma aguinha levemente perfumada de criatividade ou carinho, ou amor, ou alegria, quem sabe em alguns momentos de bom humor… de acordo com a necessidade da roupapensamento… bem, não tenho o borrifador, mas lá fora a natureza se encarrega de borrifar assa chuvinha fina que durará o dia todo. Depende de nós fazer dela uma chuva chata ou uma garoa bem vinda… depende de nós os bons pensamentos, depende de nós preparar o que esperar do dia que começa. Eu começei bem! lendo você!
    beijinho

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s