No Pátio do Colégio

Ilustração: Karro Lean/Flickr.com

Dei para ter lembranças, verdadeiros flashes de memória. Assim, aleatórias. Do nada. Elas vêm e vão em fração de segundos, e eu preciso laçá-las – como se laça um cavalo manso, velho conhecido no pasto, porém ágil demais – se quiser revivê-las. Elas parecem desconectadas dos sentidos tradicionais, já que não têm nenhuma relação com o que estou fazendo, vendo, ouvindo, provando. Embora devam estar especialmente ligadas a algum outro, ainda incompreendido. É como se vivessem pairando pelo infinito e de repente um delas pousa. Ou re-pousa. Um amigo costuma dizer: tudo o que já aconteceu continua a acontecer, só que noutra dimensão; assim como o que ainda não aconteceu está acontecendo nesse exato momento, também em outra dimensão – daí as premonições, as vidências.

Tarde de domingo, lavo uns copos. E esta aqui surge num galope.

São Paulo, Pátio do Colégio, seis e meia da manhã de algum dia entre 1986 e 1988. O sol despontava amarelando as antigas construções, preservadas aqui e ali como foi possível. A cidade acordava aos poucos e alguns madrugadores, como eu, também já haviam começado seus dias. Era nesse cenário que eu esperava o 408, trólebus marrom, silencioso e confortável, que me deixaria na faculdade vinte minutos depois. A linha existe até hoje: Machado de Assis/Cardoso de Almeida. Apesar de eu detestar, com todo afinco, estar em pé àquela hora, não houve como não me encantar com a cena. Duvido que algum daqueles madrugadores se lembre. Talvez nem o sujeito da história, caso seja vivo. Se bem que verdade seja dita: eu não o vi. Eu o ouvi. O silêncio da manhã fora quebrado por uma voz de homem, voz ainda moça, aguda e afinada, forte, porém suave, inaugurando o dia numa velha canção que ecoou pelas ruas estreitas onde, séculos antes, a cidade nasceria:

Toda manhã, pela manhã

Abra a janela, faça sua lei

Dê viva ao sol

Que ele é nosso rei

Ele cantava só esta parte, ou foi então somente o que guardei. Gosto de pensar que era um travesti retornando ao lar após uma noite de trabalho e diversão, homenageando o sol que surgia. E não vê-lo conferiu ao que construí posteriormente como lembrança um mistério extra. Feito mágica, sua voz, favorecida pela acústica das ruas ainda semidesertas, acordou os pombos, os paralelepípedos, os prédios velhos e sonolentos. E se viesse do céu? Ou de dentro do colégio? Quem sabe era a alma perdida de algum jesuíta nostálgico. Ou de um índio resistindo ao catecismo, lembrando que seu Deus, seu rei, era outro. Que, no fundo, era o mesmo. Só que nenhum dos dois sabia disso.

O homem parecia caminhar em direção à Praça da Sé, que fica ali ao lado. Sua voz foi ficando distante. Vez por outra o vento a trazia… Dê viva… de volta ao pátio… Sol… Até que … Nosso rei… silenciou por completo e o 408 chegou.

Está bem, está bem. Uma cena dessas com trilha sonora de Benito di Paula talvez não tenha tanto charme. Fazer o quê. Mas se um dia eu fizer cinema, ela estará lá, na íntegra, tal qual eu a registrei no pensamento. Juro que vai ficar linda.

About these ads

6 comentários sobre “No Pátio do Colégio

  1. Voltei aqui pra comentar depois de tanto tempo. Mas e porque de vez em quando, esse post pinta na memoria.
    Esse e certamente um dos meus favoritos do teu blog. A estoria dele e simples, mas voce conta de um jeito que puxa a gente pelo colarinho da blusa pra viver aquela cena com voce.
    Apesar de eu nao ter estado ali contigo, lembro de memorias semelhantes e que so de deixar a mente vagar por aqueles tempos, sinto um nozinho na garganta.

    Parabens Sil.
    Lindo mesmo.
    Bjos

    Curtir

  2. Benito era como os “Menudos” da minha infância…
    Outro dia, nas férias, escutei aquelas suas músicas num restaurante à beira mar, comendo peixe assado. Benito, nunca me pareceu tão apetitoso…

    Curtir

  3. Nossa Sil, quanta nostalgia! Essa mexeu comigo como uma colher de pau gigante e pontuda! Deixei o som rolando de fundo enquanto lia essa cronica e deu no que deu ne? Lagrimas. Voce falando de Sao Paulo, linha do onibus, onibus eletrico e um jeito de amanhecer que so Sao Paulo tem. Mexeu com a saudade do Brasil, com a saudade de Sampa e o pior que nao volta mais, a saudade dos velhos tempos que ficam aqui piscando na nossa cabecinha.
    Agora quanto ao filme, eu voto pra voce nao mostrar o cantor na cena, so a voz dele, que nem voce viveu e a musica do Benito pra tocar na hora dos creditos.
    Bjos mil.

    Curtir

  4. Sil!
    quando vc escreve eu vejo a cena na minha cabeça com uma nitidez tão grande que parece uma lembrança de algo que já vivi… aguando o livro, mas se a caso vc se dedicar ao cinema, vai fazer tão bem quanto a carreira de escritora, pois isso vc já é e é ótima!
    Beijinho
    Josi

    Curtir

  5. Eu adoro essas cenas de pessoas que não ligam pro que os outros que estão perto vão pensar. E assim soltam suas vozes, cantam, correm atrasados ou pra um abraço, param, dançam.

    Continue laçando essas memórias.
    Vai ser bom pra você e pra nós, quando assistirmos aos seus filmes!

    beijo!

    Curtir

  6. Do exercício de gravação por meio das palavras eu entendo. É uma delícia, não é? Esse podia se chamar gravação também.

    Agora… Cinema?
    Um livro tá de bom tamanho, Sil hahaha :-)

    Mil beijos

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s