A garrafa da Jeannie

Querer, sempre quis. Desde criança, quando assistia o seriado na velha Telefunken preto-e-branco, eu queria ser a Jeannie. Que eu não entendia por que era “um gênio”, e não “uma gênia”.

Eu, que já desejei seus superpoderes mais do que ir bem na prova de matemática ou ganhar a boneca que falava, hoje confesso. Bastava-me a garrafa onde ela se recolhia.

Trocaria seu antológico piscar de olhos azuis, capaz de fazer desaparecer coisas e pessoas, pela solitude da garrafa-quitinete. Um refúgio para as horas de colapso doméstico. Indevassável, à prova de Galinha Pintadinha, Lego e vendedor de assinatura da Abril. Onde eu pudesse dormir uma noite inteirinha seguida, curtir meu jantar ainda quente e ler o despretensioso noticiário do Facebook sem alguém ao lado perguntando “Quem é?”. Sem, no entanto, amo para obedecer. Se houvesse um no enredo, que fosse apenas o “eu me amo”.

Uma garrafa-sótão para me esconder da tristeza de ter chegado tarde demais para salvar o passarinho. Para me livrar da insistência do vizinho que tenta me converter e da lanchonete que só tem salgado com carne. Para ouvir nada além da minha própria respiração. Para não ver nem a banda passar, cantando seja lá o que for.

Dentro da garrafa-salvação eu não me importaria de ficar largada sobre uma mesa, embaixo da pia, ao lado do cesto do lixo. O recôndito da minha sala de estar particular garantiria a verdadeira paz eterna, tão prometida pelos cristãos.

Ela nem precisaria ter a icônica arquitetura garrafal, tampouco evocar (dizem) o fálico. Poderia ter o layout de uma Minalba. Cem por cento opaca, evidentemente. Nela, um sofá macio. E, como a casa no campo do Rodrix e do Tavito, meus discos, meus livros e nada mais. (Embora uma conexão 4G também fosse bem-vinda.)

Será que a Jeannie teria filhos com o Major Nelson?

Se ela eu fosse, só toparia tê-los se os superpoderes pudessem ser mantidos depois do parto. Imagine. Fraldas trocadas instantaneamente. Brinquedos que se autorrecolhem. Home office com disciplina e eficácia (sem engordar) num passe de mágica. Depilação e manicure começando no “tic” e terminando antes do “tac”. Condução das crianças à escola, ao médico, às aulas de natação e aos aniversários dos amigos com a rapidez do teletransporte, zás!

Que nada. Era a garrafa que eu queria.

Brinquedo a gente junta, do tempo se fica amiga, do trânsito a gente ri e trocar uma fralda não toma mais que um minuto. Conta rápida: a sete fraldas por dia, são cinco mil fraldas em dois anos, o equivalente a apenas cinco mil minutos dos quarenta e dois milhões que, na média, se vive até o dia em que piscamos os olhos só de ida, sem volta.

O resto é efeito especial da vida.

 

Nota: e o Major Nelson (Larry Hagman) morreu no dia 23/11/12, poucos dias depois da postagem desta crônica.

Anúncios

9 comentários sobre “A garrafa da Jeannie

  1. Eu tive a sorte! de conseguir comprar uma garrafa original de vidro da Jeannie de 1964 da marca Jean Beam foi uma dessas original que foi usada na serie! Foi pintada exatamente igual a da serie por uma Artista plástica aqui do Rio ficou lindíssima!

    Curtir

  2. ERA O MEU MAIOR SONHO, SER UM GENIO, QUANDO CRIANÇA EU ANDAVA PISCANDO PRA VER SE ACONTECIA ALGUMA COISA, EU SÓ CONSEGUIA CANSAR AS PALPERAS E MAIS NADA, ERA MUITO GOSTOSO PENSAR EM SER UMA GENIA E COM AQUELE MAJOR NELSON AO LADO EU NÃO QUERIA MAIS NADA, DEPOIS DELE SÓ UM COPO DE ÁGUA BEM GELADA. EU QUERIA SABER ONDE ENCONTRA A REPLICA DA GARRAFA DE JEANNIE, SE VOCES FICA SABENDO ONDE COMPRA DA UM PULINHO NO MEU EMAIL E ME DIZ TA? OBRIGADO UM CHIRAO PRA TODOS.

    Curtir

  3. Mas, Sil … confesso que quando eu estive na garrafa bem arrumada na Argentina (sem Legos, bonecas ou filmes do Ben 10) tudo o que eu queria era estar de volta a loucura da real bagunça da minha casa …..
    Mãe é mesmo um bicho estranho!!!!!

    Bjs
    Rose

    Curtir

  4. “o resto é efeito especial da vida”. (Fooooodaaaaa!!!)

    Me empresta suas últimas frases? rs

    Deu uma vontade de ter uma garrafinha tb. Morar dentro dela por dias e dias e dias e dias. Sem nenhum ser humano por perto. Ali, quietinha.

    “Sonho meu, sonho meu”, Franco.
    Bjs de mortal sem magia,
    Huck

    Curtir

  5. Acredite se quiser, Sil, esse sempre foi o meu desejo, tb. Ser a Jeannie. E, hoje, ainda sonho com isso… e gostaria, sim, de utilizar meus poderes para as coisas práticas, como, por exemplo, “surgir” dentro da minha “casa-garrafa” sem enfrentar congestionamentos! hehehehe

    Curtir

  6. Ahhh Si, eu tbm ja sonhei mt ser a Jeannie,e morar naquela garrafa! Passava horas sonhando acordada em ser ela, que linda eu seria 😉 nossa, é mesmo, será que tiveram filhos?? serao eles tbm magicos? e menina, eu tbm ficava curiosa, porque nao genia? rsrs

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s