Troca-troca

Ilustração: Nilson Sato/Flickr.com

Não bastassem as tarefas que tenho de dar conta ao longo do dia, arrumo mais uma: trocar de bolsa. Mais do que mera combinação estética, a troca é um ajuste de forma e função, repleto de subjetividades. A bolsa da vez é escolhida de acordo com critérios solares, químicos, sócio-econômicos e geográficos. Variam conforme a estação do ano, o humor, a necessidade – sair com crianças, por exemplo, requer espaço e compartimentos a mais. Em todos os casos, velocidade e atenção são o que contam. Ontem fiz, em doze segundos, a transferência integral do conteúdo da bolsa vermelha, encorpada e séria, para a verde, risonha e molenga. Não foi tão rápida quanto uma troca de pneus na Fórmula 1. Mais ligeira, porém, que substituição de jogador de futebol no segundo tempo, para ver se sai gol. Quando o assunto é passar tudo de uma bolsa para outra, meu sonho é o teletransporte acionado pelo pensamento.

A agilidade induz a um efeito colateral. Demoro a levar as vazias de volta ao armário. Vão se espalhando sobre a mesa de jantar, no escritório, ao pé da escada. Uma vez, contei: quatro, tirando a do dia. Qualquer hora o marido chegará e perguntará se estou recebendo as amigas. Já confundi a empregada; ela jurou que eu estava em casa só porque viu minha bolsa pendurada na cadeira. Sempre ouço “Ficou na outra bolsa” em restaurante, padaria, farmácia. O acessório – que de complemento não tem nada – passa a ser réu pelo esquecimento.

Trocar de bolsa é vício. Dependência. Disfunção a ser tratada nas clínicas de reabilitação. Durante a recuperação, só se pode usar uma bolsinha preta, lisa, sem uma única divisão. Para desintoxicar. Difícil deve ser lidar com as crises de abstinência das pacientes, controlar o mercado paralelo, impedir a entrada ilegal de modelos escondidos em bolos de aniversário. Quem vai visitar deixa a sua logo na entrada. Por precaução.

Uma amiga, na pressa, colocou a bolsa inteira dentro de outra e saiu. Problemas com a cor da calça. Não lhe ocorreu trocar a calça, nem experimentar o inédito descombinado. Trocar a bolsa já estava na ordem do dia, como escovar os dentes. Para não enfrentar a desarmonia, optou pela sobreposição literal. Certo está meu pai: sempre usa uma sacolinha de supermercado para levar o guarda-chuva, o jornal, um agasalho para o caso de esfriar. Sem apegos, qualquer uma serve. Só tem troca quando rasga ou fura. Ele não sabe, mas assim está poupando os recursos do planeta. Ponto para a velha guarda.

A bolsa substituída funciona como um penteado novo a cada dia. Uma lente de contato colorida para os olhos. Uma tatuagem temporária. Uma terceira pele, já que a roupa é a segunda. Uma amante, enfim. Ou várias. É a infidelidade a tiracolo, tornada pública. Incentivada, perdoada e admirada. Sem mágoas, nem ciúmes.

About these ads

11 comentários sobre “Troca-troca

  1. Nessas horas eu agradeço por ser homem!

    Mas nunca lembro se deixei a carteira na mochila preta ou na tiracolo azul. E ando precisando de uma marrom. A azul é levemente indiscreta.

    Curtir

  2. Suspiro, aliviada: não sofro do mesmo mal, sozinha.
    Seremos vizinhas de quarto, na clínica de reabilitação.
    Mas, deixa eu ver que bolsa está usando, hoje?…

    Curtir

  3. Adorei! Eu sou assim também..Meu marido ainda hoje não acredita quando, mesmo atrasada, vou lá trocar a bolsa. Coisas que só outra mulher pode entender…
    Bjs!

    Curtir

  4. Me senti tão normal depois de ler seu texto…rs…Achei que meus problemas acabariam quando comprei, pela internet, um refil para bolsas. Contei os dias para a encomenda chegar, organizei tudo lá dentro, mas me decepcionei quando me dei conta que ele só funciona mesmo para bolsas totalmente sem divisórias, uma raridade para mim…Continuo no troca-troca.
    Beijos

    Curtir

  5. Oi Si querida!

    Depois de ler esse texto fiquei pensando naquele nosso encontro… rsrsrs Deve ter sido assustador me ver sem bolsa! Só agora percebo a dimensão do meu “crime”! rsrsrs
    Continuo com a minha atividade marginal de andar sem bolsa… tem cura?
    Grande beijo

    Nara

    Curtir

  6. SIl, adorei o texto! Me diverti horrores imaginando as cenas (e meu pai é igual com a sacolinha do guarda-chuva), mas… eu sou exatamente o contrário! Usos “A” bolsa, até ela se acabar. Geralmente é numa cor neutra, preta, marrom, bege, sempre resistente e “dou uma surra nela” enquanto ela aguentar.

    A frustração é quando ela “morre” antes de eu enjoar… Comprei uma em Barcelona que não durou 3 meses, e rasgou o fundo… sem possibilidade de conserto. ô dó, fiquei órfã de bolsa!!! Voltei para a aanterior, que havia sido descartada só pela “estrangeirinha exibida”, e fim.

    Bjo!

    Curtir

  7. Oi Sil
    pois eu também adoro ter muitas bolsas, como toda mulher, imagino…
    Eu sempre ganhava bolsas da minha sócia que era mais louca opr bolsas que eu e não tinha muito apego, pois usava, cansava e me dava, hehehehe.
    Um dia até quiz comprar uma bem linda pra dar de presente a ela, mas ela me proibiu e escolheu um presentinho para o filho Pedro (hi, hoje é aniversário dela, preciso ligar!!) Mas voltando as bolsas, costumo eleger uma e usar até enjoar, agora uso uma preta, não muito grande nem pequena, básica, de alças curtas… quando cansar dela, abrirei a mala de viagem e de lá tirarei a próxima bolsa a ser usada… não são muitas as opções mas não consigo me desfazer de nenhuma dessas que tenho agora… Será que Ro, tem acumulado bolsas depois que fechamos o escritório?? Vou ligar pra ele depois, mas não vou perguntar sobre isso… hehehehe
    Beijinho Silmara

    Josi

    Curtir

  8. Oi, Silmara
    Me diverti muito com esse texto. Tenho umas cinco bolsas jogadas no meu quarto e o resultado é que, além da bagunça, acabo usando só (?) essas e deixando as outras esquecidas no armário…rs…

    Curtir

  9. Oiê!
    Silmara acabei com esta confusão de esquecer algo na bolsa ,ou na outra bolsa,quando aderi uma necessaire, onde vc coloca tudo nela e depois é só transferi para a bolsa do dia, ruim é quando a necessaire é maior do que a bolsa que vc vai usar, enfim ainda bem que a confusão existe e vc escreve este texto maravilhoso.
    Bom fim de semana ,cheio de Boas Vibrações!

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s