O fio da antiga meada – IV

Mais um da pasta vermelha. Lá se vão vinte anos que eu escrevi isto. Quis brincar com os nomes de alguns municípios brasileiros, sem me importar com seus significados. Ficou assim: sem pé, nem cabeça. O bonequinho que desenhei ao lado, na época, concorda. Mesmo assim, publico aqui. É sexta-feira, vai.

.

.

Quando os espíritos – que sempre se dizem santos – invadem os pinhais, algo pode estar ocorrendo, além do fato de uma paraibuna desvairada andar por aí malogrando os corações de tantos taquaritingas… Tratar-se-á, deveras, de uma pobre araçatuba queixando-se da falta de um jaraguá. E não há conselho que funcione, uma vez que não há na face da Terra paracatu que resista a uma fogosa maranguape, daquelas que atravessam a alma e descambam numa singela dracena. É o amor.

6 comentários sobre “O fio da antiga meada – IV

  1. Que delícia encontrar tesouros assim depois de tanto tempo! Feliz aniversário atrasado! rsrs
    E eu amei seu bonequinho!!!
    Beijinhos!

    Curtir

  2. Bom dia Sil!
    Que legal esses que vc escreveu há tanto tempo…é que nem achar dinheiro em bolso de roupa…rs
    Por acaso minha família é de Paraibuna, cresci lá!
    Bijim e Om Shanti!
    Aninha

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s