O vinho, o táxi e outras paroxítonas

Foto: Maria G./Flickr.com

Saiu do escritório duas horas mais cedo. Tinha, portanto, três horas até a aula. Aquele MBA não acabava nunca. Não era uma pós, mas permaneceu após tudo: casamento, gravidez, separação, lipoaspiração. Passou no boteco ao lado da faculdade e resolveu tomar uma. Uma, não: um. Pediu vinho. O garçom, desacostumado, nem sabia se havia algum vinho para servir. Voltou quatro minutos depois:

– Tem este aqui…

– Vai esse mesmo.

Vinho, para ela, tinha sabor de festa, aniversário, reunião com amigos. Sozinha, nunca. Pois agora o vinho estava ali na sua frente. Seria também uma reunião. Só que desta vez, dela com ela mesma. Hora de colocar os pingos nos is, os acentos nas sílabas certas e os pontos finais nos devidos lugares. Pra que mesmo aquele MBA? Ela, que sonhava ser atriz. Zonza da silva, foi para a aula. Entrou na sala errada, sentou-se na última cadeira e prestou a maior atenção. Fez anotações no caderno. Na hora de ir para casa, a zonzeira não havia passado. Melhor não dirigir e voltar de táxi. Aproveitou um que acabara de deixar o passageiro.

– Para onde vamos, senhorita?

– E por acaso o senhor sabe de onde todos nós viemos?

Da faculdade até sua casa, falaram sobre política, a chuva da semana passada, receita de queijadinha com doce de leite – exclusividade da mulher do motorista –, bíblia, MBAs e novela. Ele estacionou, acendeu a lâmpada sobre o espelho retrovisor, a Nossa Senhora pendurada nele ficou iluminada. Enquanto procurava cinco reais para o troco, anunciou:

– Vou dizer uma coisa: criei meus seis filhos sem esse tal de MBA. Perca seu tempo não, dona. Quem faz o que gosta ganha dinheiro se divertindo.

Dia seguinte, manhãzinha, foi até a faculdade buscar seu carro, que dormira na rua. No pára-brisa, o recado: “Desculpe-me pelo amassado. Me procure e acertamos tudo. Obrigado, Henrique”. Achou engraçado tanta paroxítona. No verso do cartão, pôde ler: o Henrique era dono da escola de teatro, a sete quadras dali. Foi lá, encontrar a sua sílaba tônica.

Anúncios

16 comentários sobre “O vinho, o táxi e outras paroxítonas

  1. Ei Silmara
    voltei sim!!! Espanha tava boa, mas tava com saudade.
    E vc acredita que ainda nao bebi guaraná nem comi açaí nem brigadeiro??
    Mas a saudade do meu amor deu pra matar….
    e até pra começar a criar outra:
    agora foi a vez dele viajar… a trabalho… 21 dias em Buenos Aires, e eu aqui, na terra chuvosa de Sampa, aguardando as festas pra gente comemorar juntos novamente.
    Com vinho!!!! argentino!!!!

    Curtir

  2. Sil querida,
    seus textos me deixam com a maior vontade de saber a continuação da história. Bom demais ler.
    Beijos
    ANa

    Curtir

  3. Ah! Esse post foi pra mim!

    (Se não foi, sem problemas: roubei na boa. Um presente numa manhã chuvosa. Agora é só curtir mil coisas que ele despertou aqui dentro…)

    Curtir

  4. Adorei essa de encontrar a sílaba tônica. Não é que é mesmo?
    Além do marido, encontro muitas dessas na música. Gosta de música celta? Passa lá em casa para ouvir.
    Uma semana iluminada!
    Beijos.

    Curtir

  5. Nada mais sensato que que a frase do taxista. “Quem faz o que gosta ganha dinheiro se divertindo” Serviu feito luva pra mim. Depois desse texto vou começar a rever minhas prioridades…

    Beijos na alma
    Layla Barlavento
    culpadowalter.blogspot.com

    Curtir

  6. Sil!
    Sempre estou por aqui lendo seus posts, mesmo que na surdina.
    Esse em particular me fez imaginar mil coisas boas.
    grande abraço.
    continue por aqui, suas palavras me trazem boas sensações.

    bjão

    Curtir

  7. Apesar da MBA nao ser pra ela, pra mim e pra muitos, ela estava no lugar certo, na hora certa, pelo menos seu carro estava.
    As vezes a gente fica fucando, tentando encontrar o algo pra colocar as coisas nos eixos, mas nao adianta, as vezes as respostas vem assim.

    Amei!
    Bjos
    Sil

    Curtir

  8. Pois é… que estajamos de olhos abertos e ouvidos atentos, pois as chances passam por nós e muitas vezes, nem nos damos conta.
    bjk

    Curtir

  9. A gente perde tempo na vida por puro medo de ser feliz com as coisas simples. O que nos assusta é que felicidade é fácil e não há nenhum segredo…rs

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s