Te ligou

Arte: Misch Valente

Deu no jornal: Papa Francisco gosta de telefonar para os fiéis que lhe escrevem cartinhas. Só para alguns, é claro. Ele tem muita coisa para fazer na sua rotina papal, muita missa a rezar. Diz que ele faz isso de gosto, espontaneamente. Seus assessores ficam malucos com a mania. E seus fãs, em estado de graça. Sorte de quem atende a ligação. Ou não.

– Alô?

– Bom dia! Aqui é o Papa Francisco. O Miguel está?

– É ele.

– Como vai, Miguel? Recebi sua carta. As coisas não estão bem, não é? Estou ligando para confortar seu coração.

– Mas quem está falando?

– Francisco. Papa Francisco. Você me escreveu…

– Isso é pegadinha?

Miguel olha por entre a cortina da janela que dá para a rua. Olha para os lados e para o teto, procurando alguma câmera indiscreta e desconfiando daquele sobrinho levado da breca.

Lá vai o Francisco mencionar o teor da carta, para convencer o Miguel. Que por pouco não desliga, achando que é trote. Ficaria sabendo depois, pelos jornais: “Fiel bate telefone na cara do papa”.

Eu nem sabia que os fiéis escreviam para o papa. Parece coisa de criança que manda cartinha para o Papai Noel. Eu cheguei a escrever algumas. Fazia minha listas de pedidos, argumentando o porquê de eu merecê-los. Geralmente, ganhava apenas o item que encabeçava a lista. Não é clara a lembrança sobre a minha crença no Papai Noel (se era do tipo total, parcial ou conveniente), muito menos a data, ou motivo, que inaugurou a minha descrença. Nunca recebi ligação alguma do bom velhinho. Deve ser porque a gente não tinha telefone.

Papa Francisco poderia enviar e-mails. Usar o Messenger, o WhatsApp. Ficaria doidinho, teclando em seu papa-phone enquanto almoça, vai ao banheiro. Até nisso ele seria gente como a gente.

Jamais me ocorreu escrever ao papa, embora nunca tenha duvidado de sua existência. O que eu lhe diria? Qualquer lamúria careceria de explicações, de detalhes para que eu me fizesse entendida. Papas são representantes de Deus, mas não contam com a onisciência. Poderia, simplesmente, escrever para lhe contar que está tudo bem por aqui, que estou pensando em ter aulas de piano, que os gatos estão ótimos mas que a Bia, a branquinha, morreu no mês retrasado. E, um dia, caso eu recebesse sua santa ligação, e ele perguntasse se tenho ido à igreja, diria que não. Meu coração é meu altar.

Miguel vai enrolando o papa, ainda à procura da câmera escondida, encafifado. “Quem será que pegou a minha carta?”. Cobre o telefone com a palma da mão e faz sinal para o filho ir correndo chamar a mãe no quintal. A mãe vem, enxugando as mãos no avental, estava estendendo roupas.

Papa Francisco, lá do Vaticano, coça a cabeça. Ele, melhor que ninguém, sabe: ajoelhou, tem que rezar.

[Nota: daqui, ó.]

Anúncios

3 comentários sobre “Te ligou

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s