Com a boca no mundo

Ilustração: Stefano Meneghetti/Flickr.com

Eu tenho, e uso, batom da Elke. A Maravilha.

Quando soube, duas décadas atrás, que um dos ícones midiáticos mais divertidos – e coloridos – dos anos 70 havia lançado uma linha de maquiagem, fui na onda do pensamento coletivo ao conjecturar como seria o catálogo. Bobagem. Os batons e lápis e sombras assinados pela tresloucada russo-alemã não transformavam ninguém em clones cabeludos, bocudos e extravagantes. Ao contrário. Eu que caíra na arapuca do imaginário coletivo.

Resisti por algum tempo. Um dia, comprei um batom na farmácia. “Só para experimentar”. Surpresa: muito bom. Há algum tempo, tiraram o ‘maravilha’ do nome Elke. Tolice. Ninguém diz uma coisa sem a outra. A força do personagem. Sujeito e predicado. Eternamente conjugados.

No meu toucador – acho linda essa palavra, ‘toucador’ – o batom da loira passou a ser vizinho de outro, um Dior. E depois daquele, comprado na surdina, vieram outros. Toucador tem que ser que nem município: várias classes sociais convivendo em paz.

A primeira vez que a colega de trabalho pediu o batom, no banheiro, depois do almoço, hesitei. Empresto ou não? Ela vai ver a marca. Explico? Respirei fundo, saquei-o da frasqueira. “Aqui está”. E fui logo dando a satisfação: “É da Elke Maravilha, mas é tão bom!”. Eu já devia saber: em boca fechada não entra mosquito.

Desenxabida, assisti, de canto de olho, a colega passar o batom. Analisei, secretamente, sua expressão diante do espelho. Encerrada a passação, ela apertou os lábios daquele jeito, devolveu-o e, laconicamente, disse: “Obrigada!”. Murchei. Só obrigada? Nenhum comentário? Um feedback? Eu precisava, com urgência, de uma validação. Por que foi que meti o ‘mas’ naquela frase, não sei até hoje. Quer dizer, sei.

A autoconfissão que não fiz: eu não desejava associar o meu makeup ao personagem Elke Maravilha, popular por definição. Senti vergonha, pronto. Muito embora Elke se localize numa sutil e complexa fronteira entre o popular e o refinado. Eu só não sabia disso. Soubesse, o episódio do banheiro não ecoaria tantos anos depois. Faltava-me, no entanto, um bocadinho de informação. E maturidade, aquela que apenas o tempo está autorizado a entregar.

Elke Maravilha é cool. Patrimônio da humanidade, ainda que somente da brasileira. E ela nem daqui é. Tirando Pedro de Lara, foi a mais emblemática jurada de Sílvio Santos. Do Velho Guerreiro, também. Eu, criança, não a decifrava direito. Nem precisava. Ela era, para mim, como a Branca de Neve ou a Bela Adormecida dos livros. Só que tridimensional. O que a tornava mais intrigante e interessante. Que Lady Gaga, que nada.

Lembrei da história porque hoje, ao me arrumar, fiquei entre o Dior e a Elke. Adivinha com quem saí sorrindo por aí.

.

NOTA: Várias pessoas não estão conseguindo postar comentários, e eu não tenho ideia do que seja. Vou procurar ajuda no WordPress. Enquanto isso, caso alguém queira falar comigo, é só enviar um e-mail ou deixar recado no Facebook. Combinado? Beijos, Silmara

Anúncios

5 comentários sobre “Com a boca no mundo

  1. Oi Silmara! Estamos todos no mesmo barco… achávamos Elke baranga ou o que for porque não tínhamos a clareza em entender que ela era ela mesma, autêntica e única.
    E como você mesmo disse… só a maturidade, aquela que apenas o tempo está autorizado a entregar, nos faz ver isso claramente. Vá… vá pelo mundo afora, com a boca vermelha, escrevendo crônicas e fazendo o mundo mais leve.

    Curtir

    1. Achei a estratégia de “responder” a um comentário, para poder deixar o meu, rs!

      Sil (olha a intimidade!), adooooooro essas suas “confissões”!! Não passei por isso com o batom da Elke (já tive alguns), mas com outras coisas. Essa “emenda” que a gente coloca no fim do anúncio de que comemos, frequentamos ou compramos em algum lugar que, acreditamos, provocará o torcimento de narizes em nosso convívio. É o desafio de ser autênticos e reconhecer o nosso devido valor, sempre!

      Parabéns pelo post!

      Curtir

    1. Embora eu tenha um estilo simples, sou defensor da excentricidade. A Elke, claro, é uma figura que foge completamente do que a sociedade considera um padrão e, por isso, tem sempre a minha atenção onde quer que apareça.

      Não tive a chance de vê-la tantas vezes na TV, mas o youtube taí pra isso, por lá também é possível resgatar. Assumo que uma palavra que a definiria, pra mim, seria alegria.

      Beijo, Sil.
      Não uso batom, mas fica a marca da intenção.

      Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s