Arquivo da tag: mico

Refúgio

Arte: Marie W.
Arte: Marie W.

Há uma lei universal e implacável, sobretudo sacana, que estabelece: sempre que você sair mal ajambrada de casa – mesmo que não seja esse o seu hábito – , a probabilidade de topar, ainda que ao acaso, com um amigo ou conhecido, da categoria dos que adoram puxar papo, é imensa. Noutras palavras: é batata.

Ela avista a ex-colega de trabalho no supermercado, não se viam há anos. Feliz reencontro? Que nada. Ela está na pior versão de si, com praticamente tudo por fazer: cabelos, unhas. Nem um lapisinho aqueles olhos viram, desde o amanhecer. Corretivo para as olheiras? Não. Uma coerência mínima entre a parte de cima e a de baixo? Qual o quê. Em termos de aparência, no horóscopo do dia ela é lua fora de curso. Trombada solar. O próprio apocalipse. Não há outra opção, exceto a fuga.

Quem mandou acertar o relógio para despertar às 7 p.m., e não 7 a.m.? Quem mandou ceder aos caprichos do sedutor edredon, implorando por mais dez minutinhos de puro romance assexuado? Quem mandou escolher as primeiras peças da pilha de roupas para guardar, sem se preocupar se ornavam ou não? Quem mandou engatar uma tarefa após a outra, ao longo do dia, sem encontrar tempo para reconfigurar o prejudicado layout? Quem mandou ir naquele supermercado?

Quem nunca?

Fugir é a única alternativa. No entanto, nada há em casa para o jantar. Ela terá, então, de se esquivar, se esconder, se camuflar, fazer mimetismo com os vidros de palmito. Ou meditação transcendental expressa, para alcançar a iluminação, o desapego e a invisibilidade.

Ela vê, por uma fresta da gôndola, a colega escolhendo pão de forma. Trata de seguir para o corredor oposto, na seção de hortifrútis. A missão: sair do seu campo de visão. Caso contrário, a colega, de tão alegre, perguntará como ela tem passado e, dadas suas más condições, desnecessária será a resposta. Inquirirá o que tem feito da vida, se tem visto o pessoal, vai sugerir trocarem emails, se adicionarem no Facebook. Um constrangimento sem tamanho para quem não tem nem certeza se passou desodorante. Ela cogita largar o carrinho de compras ali mesmo. Quem precisa de tomates?

Fosse um encontro casual com a vizinha ou a mãe de um amigo do filho, nem tudo estaria perdido. Ela seria beneficiada pela convivência: “Puxa, normalmente ela não é assim”. Mas não. Posto que, assim como levou anos para reencontrar a colega, serão outros tantos até o próximo esbarrão n’algum canto qualquer da cidade. A colega levará consigo, definitivamente, sua imagem como a mulher mais relaxada, descabelada e mal-cuidada do universo. Em sua memória, a partir de então, um único arquivo estará disponível. Algo como um link permanente, incapaz de ser editado ou excluído.

O negócio é buscar refúgio no setor de ferramentas.

Anúncios

Run, Forrest, run!

Ilustração: r8r

Se o bonitão com quem você está saindo perguntar se você curte o som do “Simple” Red, corra. Simplesmente. E, se o mesmo bonitão lhe convidar para um “jantar harmonizado” no “espaço gourmet” do apartamento dele, corra também. OK; tome uma taça de vinho antes. Depois, se mande.

Se o pediatra do seu filho afirmar que você deve levar o pequeno de volta à cama dele, a cada vez que ele vier para a sua, de madrugada, corra.

Se na hora de contratar alguma coisa, qualquer coisa, alguém lhe disser que tem um “serviço diferenciado” e você contará com uma equipe “altamente qualificada”, corra.

Se ao negociar uma proposta de trabalho você não vá ser remunerado, mas terá “muita visibilidade”, corra.

É como diz a Jenny ao Forrest Gump, no filme: quando o perigo desponta, o melhor é dar no pé, cair fora, se pirulitar. Também vale para a chatice. A fuga salva.

Se o mote da campanha do candidato a deputado prometer “pulso firme” ou “um novo jeito de fazer política”, corra. E, se o nome dele for algo como “Paulo da Farmácia” ou “José do Açougue”, nem adiantará correr. Anule.

Se seu cabeleireiro tentar lhe convencer a fazer um corte igual à não-sei-quem da novela não-sei-qual, corra. Se tentar lhe empurrar uma progressiva “sem química”, idem. Aliás, o que você está fazendo nesse lugar?

Se a clínica de estética oferecer lipoaspiração sem cirurgia, nem dor, corra. Corra muito. Quem sabe, assim, você acabe não precisando fazê-la.

Se a vendedora lhe disser que aquela calça está “super na moda”, ou se lhe contar que vendeu duas, só pela manhã, corra.

Se a liquidação anunciar estupendos descontos de até 70%, corra. Para bem longe. Principalmente, se for verdade. Visando o bem, no caso, do seu bolso.

Se um pesquisador de campo ou uma demonstradora lhe abordar no shopping, jurando por Deus que são só cinco minutinhos, corra.

Da menor à maior necessidade, da micro à macromotivação, todos sabem: correr faz bem à saúde.