Arquivo da tag: impaciência

Já é paciente?

temperance

Liguei, queria marcar a consulta.

– Já é paciente?

Segurei o telefone no ombro, comecei a rabiscar a agenda.

– Ainda não – suspirei. Embora tente. Ontem, veja só, peguei pela frente uma senhora de chapeuzinho florido – quem usa chapeuzinho florido nunca tem pressa, reparou? – a dez por hora. Sem chance de ultrapassá-la, restou-me ir a dez por hora também. O quarteirão ficou interminável, menina. É verdade, colei um bocadinho na traseira dela, pressionei. Bufei, também. Mas não buzinei. Fui razoavelmente paciente. Chego lá. A não ser que na fila do fast-food a pessoa à minha frente (sempre elas; às vezes, acho que a solução para tudo neste mundo é eliminar, sumariamente, as pessoas à frente) resolva perguntar, em detalhes gastro-inquisidores, o que vem nos pratos, se é grelhado ou frito, a maionese temperada vai ovo?, é alérgico a ovo, batata sauté na manteiga ou margarina? E, apesar da rara boa vontade do atendente descrevendo o modo de fazer de cada coisa, como se apresentasse um canal de receitas no You Tube, a pessoa tudo ouve e solta um lacônico, mortal, indeciso Aaahn. Por que é tão difícil simplesmente pedir o combo número 3? Está bem, confesso: folheio revistas do fim para o começo, sempre dou uma espiadela nas últimas páginas dos livros quando ainda estou no primeiro capítulo, completo a frase de quem demora a concluir o pensamento. E já que estou contando isso, perco a paciência, sim, quando meu pai tenta colocar o cinto de segurança. É ele demonstrar um único sinal de dificuldade e eu assumo o comando, “Assim ó, click, pronto!”. A impaciência, descobri, é prima de segundo grau da solicitude. Mas não se bicam muito. A espera para quem não é paciente está muito grande? Não sei se você percebeu da outra vez que estive aí, tenho tatuada a palavra “paciência” em meu braço. O problema é que as pessoas ficam perguntando se tem funcionado, e geralmente eu não tenho paciência para ficar respondendo. Para ser honesta, não devo mesmo me orgulhar de meu estoque de paciência. Em especial com adolescências, velhices e lojas que querem fazer cadastro. Como na vida é preciso, em algum momento, lidar com as três, separadas ou juntas, como no meu caso, o jeito é treinar dia após dia, após dia, após dia. Sendo assim, posso dizer: sou paciente em progresso. E tenho genuína boa intenção. Prova disso é que esperei a Maria-Fedida botar seus quatorze ovinhos no batente da porta antes de passar com as compras do supermercado, apenas para não incomodá-la. O doutor há de levar isso em consideração. Tem horário para a semana que vem?

Tratado geral e incompleto da paciência

Foto: Mario Gomes Maestre
Foto: Mario Gomes Maestre

A paciência de esperar crescer a unha que quebrou no cantinho, fazendo doer a carne, é a mesma de aguardar o girassol dar flor, para se tirar uma foto bem bonita e colocá-la como papel de parede na tela no computador.

A paciência de esperar seu pai de oitenta e um anos colocar o cinto de segurança no carro é a mesma de aguardar sua filha de seis pentear e arrumar os cabelos para ir à escola. (Ele esperou setenta e cinco anos pela neta. Nunca reclamou.)

Paciência não é garrote, para ser laçada à força, contra a vontade. Paciência não se aprisiona, ela tem que querer vir com a gente. Feito gato. E há que ser conquistada, diária e romanticamente, num exercício eterno. Ficar no corpo feito tatuagem, habitar a hipoderme, invadir a entranha mais entranhada, para que de lá irradie sua essência aos pontos cardeais do corpo, do dedo mindinho do pé ao fio de cabelo que acaba de nascer, dos ouvidos à ponta da língua. Só assim.

A paciência de suportar a delonga do freguês à frente ao fazer o pedido no fast-food, enquanto analisa o cardápio inteiro e faz perguntas esparsas ao atendente, é a mesma de esperar a velhinha de perfume adocicado e levemente confusa tirar um extrato no caixa eletrônico.

A paciência de permitir às formigas em fila indiana atravessarem a pia antes de você abrir a torneira é a mesma de esperar seu filho escrever no caderno a palavra “elevador”, caprichando no ‘a’ e perguntando se a barriga do ‘d’ é para a direita ou para a esquerda.

Paciência não vive de aluguel. Só mora em casa própria.

A paciência de chegar ao fim do livro pela ordem natural das páginas é a mesma de aportar ao cume da montanha no fim do mundo, sem valer-se de atalhos. A mesma de aquietar-se no inverno do sinal vermelho para esperar a primavera do sinal verde. Paciência é a contemplação de toda obra em progresso.

A paciência é virtude generosa. Aceita, compreende e perdoa até mesmo a mais mentirosa das urgências.

É bom possuir alguns tipos de paciência ao longo de uma vida. Impaciência causa a má digestão do dia. Eu reúno poucas, em meu breviário de anos. A despaciência é meu arquivo corrompido, minha ‘page not found’, meu defeito de nascença que impede, inclusive, que eu complete este ensaio. Aprendo a lição todo santo dia, mas volto para casa cheia de correções para o dia seguinte. Assim não passo de ano. E para quem é reprovado em paciência, os anos novos não chegam, nem bastam. Fim.