… falta um tanto ainda eu sei (*)

Arte: Iroki

Ela adianta o rádio-relógio em dez minutos, todos os dias. Promulga uma espécie de horário de verão, particular e abreviado, para ver se consegue se safar do próprio atraso. Finge não desconfiar da farsa que constrói. Enganar o oráculo do tempo é seu maior embuste.

A serviço de quem está a sabotagem?

Ao primeiro pi-pi-pi ela abre os olhos, tateia em busca do algoz de seu sono e lhe ordena o silêncio. Confere: seis e meia. Lá fora: seis e vinte. O fuso horário que separa seu quarto do resto do mundo tem seiscentos segundos mentirosos. Sua alma se levanta e tenta convencer seu corpo a fazer o mesmo. A batalha é cruel. Não há vencedores; apenas teimosos.

Nos dez minutos de faz-de-conta cabe o resto de descanso providencial. Cabe um terço de sonho e cabe até um sonolento sentimento de culpa, devidamente aninhado em irresistível travesseiro.

O tempo ganho ilicitamente é suficiente para uma escova expressa, um xixi em paz, uma cutucada nas unhas do pé. Ou para preparar um pão na chapa, passar rímel, combinar saia e blusa, fazer um afago no cão. A farsa continua.

Ela ignora o relógio digital do microondas, a delatar o horário de Brasília. Sua fé analógica é inabalável: ainda há dez minutos, viva!

Confere a bolsa, apanha as chaves, dá a partida no carro. Ainda crê estar no futuro, apesar do relógio no painel jurar dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade. O banco do motorista é o mesmo do réu. Ela dá de ombros, mete os óculos escuros e engata a primeira. Tem quarenta minutos para chegar antes dela mesma ao seu destino. O dia está quase salvo.

Ao burlar a lei do tempo ela se julga mais esperta que si. De esperteza é feita a hora que ultrapassa o dia pela direita.

Enquanto isso Cronos, de seu trono circular adornado com ponteiros de ouro, ri dela. Seu castigo está logo adiante, no primeiro semáforo quebrado. Arruinando o tempo que ela julgava sobrar.

(*) “Sobre o Tempo”, Pato Fu (John Ulhoa)

Anúncios

2 comentários em “… falta um tanto ainda eu sei (*)

  1. Sensacional, este texto está especialmente escrito. Vc caprichou nas construções, e a percepção da realidade está aguçada como sempre. Além disso, sou eu mesminha aí retratada.

    Curtir

Deixe uma resposta para Sheyla Monkey Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s