A garrafa da Jeannie

Querer, sempre quis. Desde criança, quando assistia o seriado na velha Telefunken preto-e-branco, eu queria ser a Jeannie. Que eu não entendia por que era “um gênio”, e não “uma gênia”.

Eu, que já desejei seus superpoderes mais do que ir bem na prova de matemática ou ganhar a boneca que falava, hoje confesso. Bastava-me a garrafa onde ela se recolhia.

Trocaria seu antológico piscar de olhos azuis, capaz de fazer desaparecer coisas e pessoas, pela solitude da garrafa-quitinete. Um refúgio para as horas de colapso doméstico. Indevassável, à prova de Galinha Pintadinha, Lego e vendedor de assinatura da Abril. Onde eu pudesse dormir uma noite inteirinha seguida, curtir meu jantar ainda quente e ler o despretensioso noticiário do Facebook sem alguém ao lado perguntando “Quem é?”. Sem, no entanto, amo para obedecer. Se houvesse um no enredo, que fosse apenas o “eu me amo”.

Uma garrafa-sótão para me esconder da tristeza de ter chegado tarde demais para salvar o passarinho. Para me livrar da insistência do vizinho que tenta me converter e da lanchonete que só tem salgado com carne. Para ouvir nada além da minha própria respiração. Para não ver nem a banda passar, cantando seja lá o que for.

Dentro da garrafa-salvação eu não me importaria de ficar largada sobre uma mesa, embaixo da pia, ao lado do cesto do lixo. O recôndito da minha sala de estar particular garantiria a verdadeira paz eterna, tão prometida pelos cristãos.

Ela nem precisaria ter a icônica arquitetura garrafal, tampouco evocar (dizem) o fálico. Poderia ter o layout de uma Minalba. Cem por cento opaca, evidentemente. Nela, um sofá macio. E, como a casa no campo do Rodrix e do Tavito, meus discos, meus livros e nada mais. (Embora uma conexão 4G também fosse bem-vinda.)

Será que a Jeannie teria filhos com o Major Nelson?

Se ela eu fosse, só toparia tê-los se os superpoderes pudessem ser mantidos depois do parto. Imagine. Fraldas trocadas instantaneamente. Brinquedos que se autorrecolhem. Home office com disciplina e eficácia (sem engordar) num passe de mágica. Depilação e manicure começando no “tic” e terminando antes do “tac”. Condução das crianças à escola, ao médico, às aulas de natação e aos aniversários dos amigos com a rapidez do teletransporte, zás!

Que nada. Era a garrafa que eu queria.

Brinquedo a gente junta, do tempo se fica amiga, do trânsito a gente ri e trocar uma fralda não toma mais que um minuto. Conta rápida: a sete fraldas por dia, são cinco mil fraldas em dois anos, o equivalente a apenas cinco mil minutos dos quarenta e dois milhões que, na média, se vive até o dia em que piscamos os olhos só de ida, sem volta.

O resto é efeito especial da vida.

 

Nota: e o Major Nelson (Larry Hagman) morreu no dia 23/11/12, poucos dias depois da postagem desta crônica.

Anúncios

9 comentários em “A garrafa da Jeannie

  1. Eu tive a sorte! de conseguir comprar uma garrafa original de vidro da Jeannie de 1964 da marca Jean Beam foi uma dessas original que foi usada na serie! Foi pintada exatamente igual a da serie por uma Artista plástica aqui do Rio ficou lindíssima!

    Curtir

  2. ERA O MEU MAIOR SONHO, SER UM GENIO, QUANDO CRIANÇA EU ANDAVA PISCANDO PRA VER SE ACONTECIA ALGUMA COISA, EU SÓ CONSEGUIA CANSAR AS PALPERAS E MAIS NADA, ERA MUITO GOSTOSO PENSAR EM SER UMA GENIA E COM AQUELE MAJOR NELSON AO LADO EU NÃO QUERIA MAIS NADA, DEPOIS DELE SÓ UM COPO DE ÁGUA BEM GELADA. EU QUERIA SABER ONDE ENCONTRA A REPLICA DA GARRAFA DE JEANNIE, SE VOCES FICA SABENDO ONDE COMPRA DA UM PULINHO NO MEU EMAIL E ME DIZ TA? OBRIGADO UM CHIRAO PRA TODOS.

    Curtir

  3. Mas, Sil … confesso que quando eu estive na garrafa bem arrumada na Argentina (sem Legos, bonecas ou filmes do Ben 10) tudo o que eu queria era estar de volta a loucura da real bagunça da minha casa …..
    Mãe é mesmo um bicho estranho!!!!!

    Bjs
    Rose

    Curtir

  4. “o resto é efeito especial da vida”. (Fooooodaaaaa!!!)

    Me empresta suas últimas frases? rs

    Deu uma vontade de ter uma garrafinha tb. Morar dentro dela por dias e dias e dias e dias. Sem nenhum ser humano por perto. Ali, quietinha.

    “Sonho meu, sonho meu”, Franco.
    Bjs de mortal sem magia,
    Huck

    Curtir

  5. Acredite se quiser, Sil, esse sempre foi o meu desejo, tb. Ser a Jeannie. E, hoje, ainda sonho com isso… e gostaria, sim, de utilizar meus poderes para as coisas práticas, como, por exemplo, “surgir” dentro da minha “casa-garrafa” sem enfrentar congestionamentos! hehehehe

    Curtir

  6. Ahhh Si, eu tbm ja sonhei mt ser a Jeannie,e morar naquela garrafa! Passava horas sonhando acordada em ser ela, que linda eu seria 😉 nossa, é mesmo, será que tiveram filhos?? serao eles tbm magicos? e menina, eu tbm ficava curiosa, porque nao genia? rsrs

    Curtir

Deixe uma resposta para lucia monteiro de melo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s