A moda em quatro atos

Arte: Gustavo Peres

I

Chamo a vendedora e aponto na vitrine:

– Aquela ali, roxa.

Ela entorta a cabeça, espreme os olhos, mira o objeto do pedido:

– Ah, a berinjela.

– Não, a roxa – repito.

Tal a mulher-elástica, ela alcança com a mão a peça por trás do vidro:

– Esta aqui?

– Isso! A roxa.

– Ah – diz, voltando ao seu tamanho normal – A gente chama de berinjela.

II

– Bonita, sua écharpe. Nude vai com tudo, não?

– É. Bege é muito fácil de combinar.

– Nude, querida. Nu-de.

– Bege.

– Nude.

– Bege.

III

Leio na revista: “A noiva usava uma headband sessentinha”. Penso, logo, falo: “Isso é uma tiara”. A manicure passa o palitinho na acetona e, enquanto capricha na limpeza dos restos de esmalte, ensina: “Ninguém mais fala assim. É headband”.

IV

– Experimente este – sugere a vendedora (outra), trazendo um escarpim. É um off-white tranquilo, não aquele brancão.

Cogito pedir a ela que repita, preciso checar se entendi direito. Então o branco não só fôra rebatizado, como ganhara sentimentos. Oh oh.

Berinjela não é exatamente roxa e nude não é propriamente bege. Há, de fato, uma sutil diferença (identificada com a ajuda do cromossomo X). A casca do legume, por exemplo, é mais que roxo; esbarra no marrom-café, flerta com o vinho. Nude (nu em inglês), dizem, puxa para a cor de pele. Pele de quem, minha ou sua? É “núdi” ou “núde”que se fala? Fato: é um bege clarinho com uma pitada de rosa. O off-white nasceu branco, mas ganhou pinceladas de algum tom que ninguém sabe dizer qual é. A tiara? Bem… melhor deixá-la em paz. Tirando o vegetal – repare –, todos os termos são importados.

Ouvi, certa vez, uma vendedora (eu adoro vendedoras) classificar um casaqueto na cor “maçã verde”. Não podia ser só verde, tinha que ser associada a alguma coisa de comer, igual verde limão. Aliás, com ou sem hífen?

O século XXI trouxe – pleonasmo proposital – novidades verdadeiramente novas. O mercado de trabalho que o diga: há quinze anos não tinha isso de ser designer de games ou analista de redes sociais. Simplesmente porque essas ocupações não existiam. O processo vivido pelas cores não é bem assim. É neologismo fashion. Modas da moda. Sujeitas, portanto, às mudanças dos ventos.

A rainha, assim como o rei, está nude.

About these ads

6 responses to “A moda em quatro atos

  • Lúcia Soares

    Dá pra rir, Silmara. Fico também bege com tanta novidade, tanta invencionice. Mas li um texto tão bom sobre o valor da moda que vou até incorporar as palavras ao meu vocabulário…rsrs (http://dbstudio.blogspot.com.br/2012/05/moda-um-macro-universo.html)

  • marisa

    A rainha está nude e eu estou bege…vc sabe qual a diferença entre verdinho e verde-pistache? Ou verde abacate? (Falam da parte de dentro ou da de fora dele, nunca entendi…) As coisas não podem ser mais apenas verdinho, verde claro, verde forte, tem de ter nome e sobrenome… aff, que canseira estes tempos modernos me impõe…
    beijos carmin em você (ou serão Burgundy, o novo bordô que é a cor da moda para o inverno 2012?)… vc não sabia!? hahaha… o velho e eterno bordô agora é “burgundy”. Acostume-se. E ria…
    Marisa

  • Jô Bibas

    Preciosismos desnecessários e inevitáveis no mundo das escolhas em excesso. Já experimentou escolher uma cor para a tua parede num catálogo de tintas…?
    Bom fim de semana,

  • Laély

    haha!
    Alguém lhe inspirou a escrever sobre esse assunto?…rs
    Não seja tão purista, minha amiga, porque os estrangeirismos já se incorporaram à nossa língua: é só clicar com o “mouse” do seu “pc” e “googlar” em “fashion”, para ter uma ideia! rs
    Mas, verdade verdadeira: há diferenças sutis entre nude e bege, como você mesma admitiu. E entre branco e off white( pergunte a um esquimó!) rs
    Quanto a headband e tiara, explico: a primeira geralmente é de elástico e circunda toda a cabeça. A segunda, não. rs
    Falando sério: já parou pra anotar a quantidade, variedade e criatividade dos nomes de esmalte? Eu acho que, adoraria ter esse emprego: nomeadora de esmaltes! Pensa, se não dá um bom texto!…
    Beijo, querida!

  • Fernanda

    Muito bom!

  • Noh Gomes

    Bom dia linda, então passo por isso sempre, não consigo mais ler alguma revista sem me debater com tantas novas palavras para todas as coisas antigas, hoje coisas da vovó viraram retrô e afins. Gostava mais do beje, roxo, branco e assim vai, sei que tudo muda, mas eu continuo gostando de não mudar tudo, vai me entender né.

    Beijos sua Linda
    Noh

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 214 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: