(Des)Empregada III, o furto

Ilustração: Toon Van de Putte/Flickr.com

Depois de ser abandonada e, em seguida, traída com o padeiro, enfim eu encontrara uma nova empregada. Meu lugar ao sol – e não ao tanque – parecia despontar no horizonte doméstico. Só parecia.

Estranhar, eu estranhei. A mulher tinha todos os dias livres e rara boa vontade. Gostava de gatos e tatuagens e tinha filhos pequenos como eu, o que tornava toda empatia possível. Poucos dias se passaram, peguei-a no pulo. A bolsa gorda, recheada, momentos antes dela encerrar o expediente. Ataulfo Alves bem que avisou: “Laranja madura, na beira da estrada… Tá bichada, Zé, ou tem marimbondo no pé”.

Se “A menina que roubava livros” virou best-seller, que destino estaria reservado à mulher que roubava brinquedos?

As duas, menina e mulher, têm histórias de vida pontuadas por dificuldades e dissabores. Salvos os respectivos cenários, as épocas, as devidas proporções e a boa dose de ficção, o que a Morte, narradora no livro, haveria de dizer, nesse caso?

Talvez ela, a Morte, me convidasse para um cafezinho ao entardecer e apontasse o farto oceano de brinquedos nos quartos dos meus filhos como razão para minha versão doméstica de Liesel Meminger agir. Não tenho inventário detalhado a respeito, posto ser essa tarefa hercúlea e inútil. Quem é capaz de identificar quem é quem na comunidade de Pollys e Barbies, contabilizar a esquadrilha de aviões, a esquadra de navios e os Legos que se valem do misterioso poder da geração espontânea? A brinquedoteca das crianças é superlativa, conjugada no coletivo. O excesso de brinquedos em casa é tão evidente quanto questionável, mas já desisti de nadar contra a maré, panfletando que isso não faz sentido. Porém, (talvez) ao contrário da história do livro, isso nunca deu e jamais dará a alguém o direito de apossar-se do que não é seu. A mulher, no papel de Robin Hood de si mesma, desconhece que justiça social se dá por outros meios e com outros fins.

Por outro lado, a Morte poderia apelar à compaixão, ao sugerir que eu imaginasse a mulher chegando em casa, depois do dia de trabalho que lhe rendeu uns parcos reais, e encontrasse seu menino a brincar com o caminhãozinho sem uma das rodas e uma velha e desbotada girafa de pelúcia, ao mesmo tempo que repassasse mentalmente a fascinante (aos seus olhos) paisagem da nossa casa. Eu diria à Morte que sim, estou acostumada a esse exercício. E o que posso fazer por essa mãe é pagá-la direitinho o combinado, para que ela tenha condições de proporcionar o mesmo aos seus filhos. Direito de todo cidadão e cidadã – igual ao direito de propriedade que ninguém pode tascar.

A Morte também tentaria me convencer a relaxar, contando ter visto coisas bem piores ao longo de sua, digamos, existência. Por esse lado, meia dúzia de Hot Wheels a menos para quem tem uma frota de três dígitos dos carrinhos é, de fato, titica.

Ou nada disso, e a Morte faria o que mais a diverte – pegar de surpresa – e me diria a inesperada e oblíqua verdade sobre o crime (?) cometido, que eu ainda não havia suspeitado: preciso escolher melhor minhas laranjas.

About these ads

7 responses to “(Des)Empregada III, o furto

  • Inaie

    E quem disse que ela só levou brinquedos? Talvez ela seja tão organizada que divida a semana por “área”. Infantil, adulto, feminino, até chegar a sua carteira, ou horror dos horrores, ao cofre das jóias.

  • Patricia

    Ei amiga… não dá pra saber o que é melhor nos dias de hj… deixar-nos ser roubados, fingindo que não notamos a falta de alguns brinquedinhos e assim, tirando nossa barriguinha do tanquinho ou não compactuarmos com tal atitude, incorreta diga-se de passagem e continuarmos a malhar a nossa barriga (sonhando ser tanquinho) no tanquinho, não é mesmo????
    Bjs minha linda cheia de saudades!!!

  • Cléo Garcia

    Ei, Sil! isso nos leva a filosofar, hein? li uma reportagem onde uma moça foi feita refém em sua casa, por um ladrão que era credor do seu antigo pedreiro. O ladrão-credor, pressionava o pedreiro ameaçanco-o e à família, para dar informação sobre algum cliente onde ele pudesse roubar. Ao saber desse fato, a moça entendeu a difícil situação do pedreiro, que sempre havia trabalhado para a família e estava sendo ameaçado e resolveu não dar queixa. Em paz consigo mesma, viu que não adiantaria nada e poderia piorar a situação do pedreiro. Como não somos tão evoluídas assim, temos que pensar se poderíamos continuar confiando em uma pessoa dessas. (com certeza a moça também nunca mais contratou o pedreiro…rsrsrs). Como perdoar e continuar confiando sua casa e até suas crianças em sua ausência, sem lembrar desse fato? complicado, né…a gente não dá importância à referências, mas resolveria algumas coisinhas se ligássemos para pesquisar, né? (isso quando têm referências…) bjs querida :)

  • Cris Prado

    Olá, querida!! Que saudade!
    Pena que em sua volta, vc venha nos “relatar” esse fato tão triste.
    É uma pena que algumas pessoas, joguem fora o que poderia lhe abrir portas no futuro, pelo retorno imediato.
    Também estou aqui, torcendo por vocês. Que encontrem alguém digno de sua confiança!
    bjssss
    Cris

  • Laély

    Agora entendi aqueles papos no Face…
    Puxa, Silmara! Parece que foi há tanto tempo que ficou “desempregada” e, agora, mais essa! Mas, não contemporizemos e arranjemos desculpas de esquerda revanchista: ontem foram brinquedos, amanhã, sabe-se o que mais?…
    Poderia encerrar com outro ditado:
    “Antes só, do que mal acompanhada” mas, enfim, não desanime.
    A luta continua, companheira!

  • Simone Huck

    Descobri que os mantras e os quilos de incensos acendidos a seu favor, por esta causa, foram insuficientes.
    Não tenho o que dizer além de prometer rezar mais… e, claro, durante a reza manterei um olho no santo e outro na minha bolsa… rs.
    (Ai, amiga. Que merda isso!!)

  • Josi Stanger

    Oi Sil, li o livro e agora o Edno está lendo… muito bonito!
    Mas essa situação é f@*#&… pra não usar outra palavra…
    Aqui em casa as vezes escondemos alguns brinquedos pra entregar meses depois… é quase uma novidade para ao pequeno, que se admira… “que saudades desse, ou daquele!”…
    Beijinho Sil, boa semana!

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 240 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: