Do que não muda

Ilustração: Adam Koford/Flickr.com

As coisas todas do mundo podem ter mudado pelo caminho do tempo. Em muitas, se mexeu um bocado. Algumas se extinguiram, no mesmo compasso em que outras brotaram. Há as integralmente transformadas. Porém, ou muito me engano, ou o jeito de embrulhar presentes segue do mesmo jeito.

Tirante as pirotecnias da moda (que essas sempre vão existir), como embalagens que piscam, caixas em formatos inéditos, sacolinhas pós-modernas, papéis com padronagens inesperadas, a maioria absoluta das pessoas e lojas ainda prepara seus mimos como antigamente. Os regalos podem ter mudado; o que os veste, não.

“É para presente?”, quer saber a moça que faz pacotes na livraria. E não é a livraria do Seu Joaquim, aquela, remanescente no bairro, que envelheceu com o dono. É livraria grande, dessas com filiais no país inteiro. Aonde aporta todo tipo de novidade da cultura e dos saberes.

Ela desenrola o papel estampado de uma grande bobina, instalada no antiquado suporte de ferro – trambolho igual ao das lojas de onde vinham meus presentes de aniversário e Natal (os únicos do ano). Mede o objeto, calcula a quantidade de papel, corta. Posiciona o dito cujo que, no caso, nem livro é; trata-se de uma caixa de discos blu-ray de uma dessas séries que passa na TV a cabo. E prossegue seu trabalho, com os mesmos ingredientes e modo de fazer do passado. Ajeita aqui, alisa ali. Muitas dobras e durex depois, a moça providencia o acabamento: faz uma espécie de leque, no próprio papel, bota laço de fita, etiqueta de/para e pronto. Exatamente igual aos meus presentes de criança. É só aguardar o sorriso de quem vai ganhá-lo.

Não foi nessa livraria, mas numa loja de roupas, que flagrei a empacotadeira, bastante jovem, passando a ponta da tesoura num teco de fitilho colorido e ele, zás, se enrolou inteiro. Virou o antológico “rabinho de porco”, velho conhecido da criançada que hoje tem filho marmanjo (não digo “fio de telefone”, que esse mudou muito, nem fio tem mais). E lá foi o traje, confeccionado com tecido tecnológico e zíper de última geração, fazer bonito em seu pacote vintage-sem-querer.

Igual preparar receita de bolo de chocolate e chamar gato fazendo psh psh psh, a arte de embrulhar presentes é parte do folclore, está no DNA de um povo. É assim que se faz e não se fala mais nisso. Entra era, sai era, permanecerá como sempre foi.

Que bom.

About these ads

7 responses to “Do que não muda

  • Cristiane Prado

    Olá, querida!

    Continuas poetisa, até nas “coisas” mais simples da vida.
    Nunca tinha pensado nesse assunto (hehe).
    Brilhante, como sempre!

    Ah, obrigada pelo e-mail! AMEI!
    bjssss…

  • Silmara

    Oi Silmara, assim como a Bel comentou acima, nao aqui onde eu moro, nao tem empacotadeira nas lojas. Se eu quiser “rabinho de porco” tenho que pegar minha propria tesoura e meu proprio fitilho e fazer o truque de friccao. De alguma forma, seus textos sempre resultam em saudades do Brasil.
    Beijos mil.

  • Jô Bibas

    Texto delicioso… Valorização das pequenas coisas que o dia-a-dia engole.
    Bom domingo,

  • Lúcia Soares

    Que bom! E como algo tão simples, tão trivial, dá uma crônica tão boa?

  • Rose

    Sil, lembrei dos vários pacotes de presente que eu já fiz …. com os fitilhos enrolados na ponta da tesoura e o leque com o papel de presente …. depois que a minha mãe me ensinou a fazer os embrulhos, nunca mais achei um presente bem embrulhado … resultado, levava tudo pra casa e eu mesma embrulhava.

    Depois, fiquei preguiçosa … levo e entrego mal embrulhado mesmo.
    Pouco tempo atrás, tive que embrulhar caixa de bombom pra presente de final de ano numa campanha da escola das crianças … relembrei de todas as dicas da minha mãe e o pacote ficou perfeito!!!

    Obrigada Sil, por trazer estas lembranças de volta de novo!!!!

    Bjs
    Rose

  • Bel

    Sil, então minha vida tá no lugar errado! Porque os pacotes de presente aqui são aqueles sacos metalizados sem graça, com uma fita larga fazendo um “l” e pronto. Não vem com cartãozinho e nem dá pra escrever o “De: Para:” no papel metalizado. Nunca mais vi fitilho que enrola com a tesoura. E nunca mais ganhei presente que não tivesse sido comprado na internet. :(

    Beijooo

  • Josi Stanger

    passou um filme pela minha cabeça… com coisas bem antigas, acho que herdadas de uma lembrança que nem lembrava se eram minhas ou que me contaram…. até a mais recente. Fora os pacotes que já aguardam o dia esperado sob o pinheirinho… um presente que veio sem pacote, aguarda há mais tempo… é um DVD (blu-ray) … que não posso ver, porque meu aparelho não toca … se o Noel soubesse desse detalhe, será que me traria de Natal um aparelho novo num pacote bem bonito com laço de fitilho? Hehehe
    Beijinho, Sil e um ótimo fim de semana!
    Josi

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 214 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: