Crônica de minuto #24

Falei palavrão – dos cabeludos – na frente da cria. Saiu, escapou, fazer o quê. Eles me enlouquecem quando fingem não me escutar. Pedi oito vezes para colocarem o uniforme, hora de ir para a escola. E eu tinha reunião em seguida. Gente grande é escrava do relógio. Gente pequena, da brincadeira. Tempo e diversão são coisas que não combinam. O palavrão foi o jeito que meu cérebro encontrou para resolver a parada, aplacar a fúria, impedir uma implosão. E, claro, evitar o atraso.

Os dois me lançaram um olhar de incompreensão. Então pode?

Incoerência materna é bicho de muito mais que sete cabeças. Faça o que eu digo, mas não fale o que eu falo. Um bom palavrão na hora certa é bálsamo para o coração em ebulição. Por que esconder isso da criança? O que há, afinal, por trás do bom-mocismo linguístico?

Lancei mão do silêncio para lidar com o desconcerto dos pequenos. Não fiz a emenda; o soneto já estava destruído. Porém, se é que alguém quer saber, funcionou: os dois se vestiram em segundos. Assentar o episódio aqui dentro levou mais tempo.

About these ads

6 respostas para “Crônica de minuto #24

  • poraliblog

    Rs…você descreveu direitinho o que ocorre. Vc não está sozinha nessa!
    Filho não precisa de mãe, precisa de gravador e no repeat! rs!

    Curtir

  • Fabiano

    Silmara, da próxima vez, lembre-se do palavrão que pode ser dito em qualquer situação, exceto em reuniões de cunho político em regime de ditadura;

    Inconstitucionalissimamente.

    Tenho certeza que eles ficarão ainda mais perplexos.

    Um abraço, Fabiano.

    Curtir

  • Angela Mercia

    entrei aqui através de outro blog o – sala da La – e fui lendo, lendo, despertando sorrisos, memórias de situações parecidas, nostalgias, de repente já estou no post de 6/7/2010 , o do mamão papaya; uma das minhas gatinhas insiste em chamar a atenção, porque gato se sente o centro do universo, e ai de vc que não dê atenção…., o filho tb precisa do computador, enfim,
    voltarei outra hora para continuar a ler os post antigos e acompanhar os novos, porque é bom à beça isso aqui.
    Um abraço, obrigada .
    Angela Mercia

    Curtir

  • José Santana Filho

    Silmara, não me pergunte como cheguei a seu blog, mas cheguei. E gostei um bocado; você escreve bem à beça. Voltarei.

    Também tenho um blog onde escrevo umas crônicas, alguns contos, e outras cositas sem nome de batismo. Quando der, passe por lá, ok?

    O seu já está no meu ‘favoritos’.

    Um abraço, e que o coelhinho não deixe de passar por aí.

    Santana Filho

    http://cronicasereflexoes.wordpress.com

    Curtir

  • Raquel

    Acontece. rs.

    Dizer palavrão tem até efeito terapêutico.

    bjo
    p.s.: Pode continuar me chamando de Ana. Tenho amigos e colegas que me chamam assim e até minha mãe solta um Aninha de vez em quando.

    Curtir

  • Rose

    Ahahah … amei!!!!
    Tem hora que estas crianças nos deixam loucas, né? Que só um bom palavrão resolve!!!

    Eu já soltei uns também … e funciona! O susto faz com que eles tomem outro rumo … ahahah …

    beijão
    Rose

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 269 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: