Auto-decreto

Ilustração: Helen Aoki/Flickr.com

Vivo criando decretos para mim mesma. Sou a maior criadora de auto-decretos da paróquia. Todos os dias descubro um, de minha própria lavra, regendo minha vida com o poder de uma lei. Como se gravado em pedra estivesse.

Decretei, por exemplo, que não posso ter um emprego em período integral, caso contrário meus filhos, ainda pequenos, serão infelizes, ficarão traumatizados ou precisarão de terapia mais tarde. Decretei também que eles estudarão em escola particular pelo menos até os dezoito anos, sem sequer me dar ao trabalho de conhecer as públicas (e boas) da minha cidade.

De tanto topar com a frase, pronta e fácil, decretei que não se vive de escrever. No máximo, que isso é muito, mas muito difícil. Afinal, não passa de hobby. E, como tal, deve ser condenado às horas vagas que, por sinal, andam cada vez menos vagas. Aproveitei o embalo e decretei que nunca tive, não tenho e jamais terei talento para ganhar dinheiro.

Decretei que só se pode ser feliz vivendo numa cidade grande, com cafés abertos vinte e quatro horas e que eu frequento apenas em horário comercial.

Daí por diante. A essência de um auto-decreto têm raiz, um local de nascimento. Ou a gente viu alguém fazendo, ou ouviu alguém dizendo. E foram tantas vezes, por tanto tempo, que essa essência se cristalizou. Virou, naturalmente, um paradigma.

Mais ou menos como a fábula do peixe. A menina perguntou para a mãe por que ela sempre corta a cabeça do peixe antes de colocá-lo na frigideira. A mãe não sabia o motivo, disse que foi assim que aprendeu com a mãe, avó da garota, então é assim que ela faz. A menina não se deu por satisfeita, pegou a mãe pelo braço e lá foram as duas, questionar a avó. Que também não tinha a resposta, mas repetiu a ladainha: aprendeu com a mãe, bisavó da menina. Elas procuraram a bisavó e… surpresa: a bisavó não tinha ideia. Só sabia que esse era o jeito que a mãe, trisavó da menina, fazia. As quatro foram atrás da anciã. Que respondeu, com a maior naturalidade: naquele tempo, a única frigideira que ela tinha era muito pequena. O peixe não cabia inteiro nela. Bisavó, avó e mãe se entreolharam: a frigideira delas era grande. Os peixes foram, por gerações, decapitados à toa.

Não estou só, porém, no vício do auto-decreto e na armadilha do paradigma. Há os que, a exemplo da escrita, decretaram que trabalhar em artes plásticas, moda, teatro e artesanato não paga as contas de ninguém. Aqueles que decretaram que profissão, a palavrinha em destaque no diploma da faculdade, é tatuagem e, portanto, não sai mais. Por falar em tatuagem, existem os que decretaram que ela não é coisa que se deixe à mostra no ambiente de trabalho. Dress code é um decreto coletivo ao qual todo mundo diz amém, individualmente. Continuando, tem os que decretaram que aposentadoria significa não trabalhar mais. Pior: que aposentado é profissão, e preenche assim no cadastro do crediário, na ficha do clube.

Há auto-decretos de todos os tipos, para todos os gostos, para dar e vender: mulher depois dos quarenta não pode ter franja. Nem usar minissaia, mesmo estando tudo em ordem. Mulher tem que ter cabelo comprido para ser feminina. Ou então: o único corte de cabelo que lhe fica bem é esse, há dezessete anos em cartaz nas suas fotos. Roupa social precisa de meia-calça, principalmente as que se fingem de pele. O destino quer que você more de aluguel a vida inteira. Você não tem sorte nos relacionamentos. Ser feliz não é para o seu bico.

São os peixes, sem cabeça nem pé, que a gente vai fritando pela vida. Bom mesmo é descobrir que a maioria absoluta dos auto-decretos, principalmente os que não servem para nada, é revogável.

Não sei o que estamos esperando.

.

PS: não corto mais as pontas do pepino, nem as esfrego nele para tirar o suposto amargor. E olha que eu não tenho trisavó.

.

Para Januária, que tem se dedicado às revogações.

About these ads

10 responses to “Auto-decreto

  • Dani

    Sil… ok, decreto que a ponta do pepino não cortareis… mas e o chuchu? continuo esfregando as pontas para tirar a cola ou não mais?

    beijocas, estou aqui, me matando de rir com tantos decretos coincidencias, agora me fala… e quem foi que decretou que meia de verão precisa “apenas” de dedinhos de fora? ;-)

  • Bel

    Sil, eu discordo de alguns desses seus decretos pra mim, e isso é naural, afinal de contas, são “auto”! Mas discordo de pelo menos um, pra você. Pelamordedeus, revogue o que diz que não ganha dinheiro escrevendo! Vc ainda vai ganhar MUITO!!!

    Beijoooo

  • paula mello

    Acho que está no hora de a gente se permitir ver o mundo com os olhos de uma criança e assim, só fazer o que der na telha.
    Almoçar bolacha, dormir sem tomar banho nem escovar os dentes.
    Perder as coisas e nem ligar, não saber que horas são.
    Sujar tudo e achar o maior barato.
    Ir pra escola com uma meia de cada cor, só por que assim é bem mais legal.
    E a vida ia ser muito mais fácil ou no mínimo a gente ia rir muito mais.
    Que nem criança.

    Beijo grande!

  • Marcela Valle

    Ah, esses peixes sem cabeças!
    Dia desses, meu Nino me pegou com a faca na mão, desenhando uma cruz no chão; espantado, me perguntou: o que é isso \o/
    eu respondi: a faca caiu!
    e, tive que explicar que minha mãe sempre diz que se não fizermos a cruz, pode dar briga….
    virou motivo para piada dentro de casa!! mas, eu, precavida, continuo riscando a cruz no chão caso de uma faca se meter a paraquedista.
    Beijos, amo seu blog, amo seus escritos e eles valem muito!

  • Karam

    Não sei para quem vc escreveu, mas a mensagem foi para mim hj… Obrigado

  • Januária

    Silmara querida,
    que dedicatória linda! E do coração! Na verdade, ainda estou às voltas com as revogações, sou de sangue pernambucano, lá o que a gente fala é Lei, então… Já viu, revogar leis dessa natureza requer trabalho afiado! Mas não desisto e pessoas como você que se tocam e (re)tocam, me fazem crer que vale a pena revogar decretos não-sei-de-onde para construir assembléias, nas quais, em comunidade, possamos realizar nossos sonhos!
    Um beijo agradecido e emocionado,
    Janu

  • Eduardo Coelho

    Muito legal. Questionar paradigmas é um dos meus hobbies favoritos.

  • Laély

    Oi, Silmara!
    Sempre um presente, ler seus textos.
    Outro dia ensinei meus filhos que é “feio cortar o macarrão” e eles, queriam saber o porquê. Sem resposta, apelei: seria uma falta de respeito e consideração, desfazer de quem teve o trabalho de fazer a massa, tão compridinha e fina!
    Crianças, sempre têm uns porquês, que nos fazem questionar paradigmas, não?
    Abraço e obrigada!

  • Felipoca

    hahaha
    muito bom.
    As panelas aqui em casa são todas pequenas. Imagina se eu ensinasse um filho meu a cozinhar e ele pensasse que carne só se come picadinha….
    hahaha
    bjus, Sil.

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 214 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: