De outro mundo

Ilustração: Marina Cuello/Flickr.com

Eles estão entre nós. Se parecem com nós. Mas não se engane: eles não são como nós. São seres, só que não humanos. São uma raça superior. Não se sabe ao certo qual seu planeta de origem, nem o que vêm fazer aqui. A única certeza é que são dotados de extrema resistência física e emocional e apresentam sabedoria multidisciplinar acima do comum. Porém, para que levem uma típica vida humana que inclui, entre outras coisas, contas a pagar, eles têm de trabalhar como todo mundo. E, talvez numa espécie de provação, lá vão eles se empregar nos hotéis e resorts. São os recreacionistas. Aquela turma de bem com a vida, imbatível na hora de manter a criançada ocupada.

Recreacionistas são extremamente hábeis em cuidar dos filhos dos outros, mesmo quando impera a diversidade: um pode sujar a roupa, outro não; um está autorizado a tomar sorvete, o outro não, está com tosse; um vai ao banheiro sozinho, o outro só acompanhado. Em ação, eles lembram aquele coelhinho do comercial de pilha, que continuava tocando tambor todo animado enquanto seu companheiro já havia arriado.

Aliás, eles devem, de fato, ser movidos a níquel e cádmio. Onde ficam as suas baterias – e como fazem na hora da piscina – é segredo estelar. Para disfarçar, eles fingem que comem arroz e feijão na hora do almoço. Mas a fonte de energia deles é outra. Como são wireless, devem passar a madrugada grudados em tomadas nos alojamentos. Caso contrário, não há explicação para tanta disposição. O dia mal começa, eu nem termino de ler a programação no mural de avisos e já estou exausta.

Eles preparam os barcos, organizam caminhadas e botam todo mundo para fazer arborismo. Sabem velejar, patinar, andar a cavalo, de bicicleta, de jet ski. Nadam, escalam e ordenham vacas. Acendem fogueiras e fazem marshmallow. Conhecem a letra de todas as músicas. Dançam – assim, assim – qualquer ritmo. Recreacionistas não têm problema, não sentem sono, fome ou cansaço. Não sofrem com dores de cabeça ou dente. Não choram, não reclamam. Não deixam escapar um “ai meu Deus” se o bicho pega. Não bocejam. Repetem, sem nenhum sinal de enfado, as mesmas informações a cada novo e curioso hóspede – quem é o dono do hotel, quantos apartamentos existem ali, os horários do café-da-manhã, almoço e jantar. Não sofrem de corazón partío. Pudera. Vão namorar a que horas?

Recreacionistas são capazes de estimar, precisamente e apenas com um olhar, a idade das crianças. Pediatra nenhum é tão bom nisso. Com igual facilidade, encaram qualquer tarefa. Amarram cadarços de tênis. Ajeitam sunguinhas do Homem Aranha e maiozinhos da Hello Kitty. Aplicam protetor solar. Não ligam de passar horas na piscina de camiseta e bermuda. Partem o bife. Ajudam com o canudinho. Ensinam a fazer peteca, transformam balões em cachorros e espadas. Levam, de bom grado, a pirralhada trinta vezes ao banheiro no intervalo de uma hora. Inventam um cinema à tarde, e são craques em driblar as animosidades se um quer ver uma coisa, outro quer ver outra. Fazem mamadeira. Ninam os mais novos e, ao devolvê-los às mães, avisam: “Troquei a fralda”. No fim do dia, na sala das brincadeiras, recolhem toneladas de letras e bichinhos em EVA espalhados pelos cantos. Ninguém diz que um tornado passou por ali horas antes.

Talvez os recreacionistas sejam, simplesmente, missionários. Conheci um que trabalhou por anos na Disneylândia, acompanhando grupos de adolescentes viajando sem os pais. Esse é pós-graduado em tolerância. Mestre em calma. Doutor em paciência. Uma emanação de Buda.

Ao contrário dos garçons, que são da turma dos invisíveis, junto com os camareiros e jardineiros, recreacionistas são superexpostos. Disputadíssimos, são requisitados a informar seus emails para meio mundo. Têm de aceitar pedidos de amizade no Orkut e Facebook. São seguidos no Twitter, convidados para aniversários. Fazem inveja ao Roberto Carlos. Eles, sim, têm um milhão de amigos.

Morro de curiosidade para saber o que pensam e o que conversam quando o pano cai, o show termina e eles se recolhem ao alojamento. Pensando bem, melhor não saber. Recreacionistas são a salvação da lavoura, cuidando das sementinhas enquanto os pais ficam de papo pro ar. O melhor presente para eles? Difícil saber. Deve ser  o check-out.

About these ads

6 responses to “De outro mundo

  • Barba

    Vi seu Blog por indicação de minha namorada (obs.:hj posso ter uma pois deixei de ser recreador a um bom tempo….rs)
    Mas ler seu txt me transportou no tempo e a saudade veio como companheira.
    Um grande abraço a todos os recreadores,
    Saudade dos milhares de sobrinhos, ass.: Tio Alê, Estância de Furnas.

    “a dona aranha subiu pela parede.. veio a chuva forte e a derrubou….”

    Curtir

  • Cris Prado

    Queria Silmara!
    Texto lindo, delicado e muito pertinente (totalmente!!!).
    Linda declaração da tia Fefe também, nos mostrando que eles (recreacionistas) são de verdade e amam o que fazem.
    Amam, acima de tudo, as pessoas.
    Quem dera outros profissionais, que lidam diretamente com as pessoas, fossem assim como eles.
    Espero que vc tenha voltado renovada e pronta pra lidar com os que não são nem um pouco delicados, preocupados, solidários e responsáveis, que estão por aí.
    Bjao e parabéns pelo texto!

    Curtir

  • Albuq

    São fabulosos, isso é indiscutível.
    Adorei o texto, porque você aborda docemente um trabalho super importante, mas, que muitas vezes é valorizado como deveria.
    bjsssssss

    Curtir

  • Josi

    Verdade… lembro direitinhos da turma que ficou na AVM em janeiro quando estive lá com meus pequenos… não entendo de onde vem tanta energia… até eu fui contagiada e fiz hidroginástica…,
    beijinho Silmara.

    Josi

    Curtir

  • Néia

    Depois desse post, eles os recreacionistas, não serão mais os mesmos, mas ainda melhores!

    Curtir

    • Tia Fefe - Avaré - HBD

      Silmaraa… vc não sabe a alegria que dá de ser recreadora, principalmente depois de ler estas lindass palavras! Com certeza não seremos mais os mesmos…

      O nosso presente… é um beijo melado de sorvete, uma gargalhada de tirar o folego, é aquela mãozinha que sempre busca a tua ao subir as escada, é um olhar confiante de vcs pais… passaria horas escrevendo os prazeres de ser uma recreacionista, mas não é tão facil assim pq depois de conhecer pessoas como vc e sua linda familia o mais dificil é o check-out!
      BeijOs com muito carinho para o Luca e Nina.
      Tia Fefe

      Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 253 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: