Carta para a amiga que foi embora

Ilustração: Tim Morgan/Flickr.com

Querida R.

Não estranhe receber somente agora esta carta, não é culpa dos Correios. Tenho essa mania de adiar as coisas. Fiquei sabendo que isso se chama procrastinação. E fiquei sabendo também que é coisa do meu signo, Touro.

Ainda estou triste por não ter me despedido direito de você. Como fazem as grandes amigas, quando uma delas está prestes a fazer uma grande viagem. Por não ter telefonado para você dia sim, dia não, naquela primavera de 2003. Acabei perdendo seu, digamos, embarque. Sem direito ao último abraço, ou mesmo um aceno. É que seus pais ficaram com receio de me contar. Eu estava grávida, um barrigão deste tamanho. Nunca se sabe.

Sempre achei curioso o nome do que tirou você da gente: diabetes. Lembra ‘diabrete’, que é um diabo pequenininho. Pensando bem, nem é uma lembrança tão errada assim. Tal um diabinho, a doença pintou e bordou em você, que encarou tudo. Até transplante. Bonito, isso: primeiro, sua mãe lhe teve no corpo dela. Depois, com um pedaço dela em você, foi a sua vez de tê-la em si. O amor tem dessas: nos põe um dentro do outro.

Recebi a notícia dias depois. Foi como chegar atrasada ao aeroporto. Sua mãe contou para minha irmã. Que falou para o meu marido. Que me contou. Lembrei de nós duas no pátio da escola, trinta e tantos anos atrás, ladeadas pelos amigos, brincando de telefone sem fio. A graça era quando o último entendia um absurdo qualquer, diferente do que o primeiro havia falado. Naquele dia, eu fui a menina da ponta. E entendi certo. Não valeu.

Quis que não fosse verdade. Quis não ser de Touro. Quis que você tivesse adiado sua viagem, também numa espécie de procrastinação. Mais três meses e você conheceria meu filho. Um pouquinho mais e me veria, pela primeira vez na vida, de cabelos curtos. Três anos depois, você pegaria minha filha no colo. Iria gostar de brincar no Facebook. De tomar café no Starbucks. De vir me visitar usando GPS. De ver o Obama na Casa Branca. E de ouvir a Céu. Porque o nome dela deve lhe inspirar mais do que a nós.

Sempre que eu penso em você, R., tenho a sensação de que você está perdendo um monte de coisas legais acontecendo por aqui. Talvez você, daí de onde está, tenha a mesma sensação – mas a respeito do que eu esteja perdendo.

Escreve, um dia, contando?

Saudades,

About these ads

26 responses to “Carta para a amiga que foi embora

  • Sonia Claro

    Ai, Sil, assim não vale! Me fazer chorar de novo? Por mim, por você, pelas lembranças. Não canso, nunca vou me cansar de me encantar com suas crônicas. Linda!

  • Cami Fonseca

    Sil, esse texto e o texto mais atual que falam dos testes nos seus gatos me fizeram derramar lagrimas, assim, sem pudor, na mesa do trabalho (desculpa, chefe!)
    Você vê o mundo como se existissem geléias de LOMO (aquelas que a gente coloca na câmera fotográfica para foto ficar toda colorida).
    Passo os dias descendo seu blog e lendo, e rindo e me emocionando.
    Leitora e fã.

  • inaie

    Como sempre, seus textos tocam a alma!

  • ursulahummel

    Sil….todos os dias descubro que não leio seus textos. Sinto sua voz cantando-os para mim. Uma voz doce e suave, tal qual a candura de suas palavras! Sei que R. recebeu esta carta, riu e vem, através dos sonhos, te mostrando várias coisas legais de onde ela está! Um beijo grande no coraçao!

  • Márcia Pala de Lima

    Sil, lindo, já tinha lido, e nesta manhã fria, gelada, emocionei novamente na energia do amor, da cumplicidade da vida, da união das pessoas e principalmente por acreditar que Deus existe bem dentro de todos nós. beijos

  • Sonia Claro

    Linda! Linda! Linda!
    Não tenho como escrever nada que já não tenha sido lembrado aqui. A saudade da minha mais querida amiga voltou com tudo e transborda pelos meus olhos. Beijos.

  • Edu

    Emocionante, mesmo na infinitésima leitura!

  • Hoje não tem, mas tem. | blog da silmara franco

    […] nova. Na minha página no Facebook, repostei o link para outro texto, publicado aqui em 2010: Carta para a amiga que foi embora. Ela já foi vista quase dez mil vezes (é o segundo post mais lido do blog). Gosto de imaginar […]

  • Si Huck

    Querida linda amiga…
    Gosto tanto qdo vc abraça a poesia assim.
    Conforme eu ia lendo, meu coração ia ficando cheio de lágrimas.
    Sabe, sou convicta que ela te leu, lê, continuará lendo. Alguns cordões ligam almas e não se rompem assim.
    Bonito. Bonito!!!!
    Merece milhões se acessos!!!!

    Ps.: tem olhado pro céu? Ando vendo algumas linhas e palavras penduradas nele… Eu não entendia… e só agora sei que são pra vc. Leia lá!!!!

    Bjs,
    Simone Huck

  • Kátia

    Que lindas mensagens…PARABÉNS!!!

  • Adriana Lopes

    Poxa vida! Eu não estava tão preparada para ler esta carta… Há uma semana perdi uma amiga… Ela, por morar sozinha, foi encontrada morta após quatro dias da sua passagem… Vivi na pele e alma o que você tão bem externou nesta epístola!
    Para resumir: chorei.
    Não tenho mais o que escrever…

  • Keli

    Ah, como é bom passar por aqui e ler tanta coisa bonita e emocionante!
    Belo presente aos seus leitores.
    Bjs
    Keli

  • Tati

    É repetição dizer que fiquei emocionada, mas fiquei, e muito! Adoro a maneira como escreve, não importa o tema. A falta da despedida de uma amiga, a saudade, a tristeza pelo não vivido, a sensação de ser roubada nas lembranças que ainda seriam criadas… Não tem como não se reportar ao seu texto, não pensar naqueles que nos deixaram, que seguiram outro destino. Obrigada por suas palavras, é o mais que posso dizer!

  • Tânia Meneghelli

    Silmara,

    Coisa incrível que essa vida é, não? Navegando por aí, em busca de umas ilustrações legais, encontrei seu blog.

    Me arrepiou quando li esta sua postagem. Estou, nesse exato momento, tentando me refazer por causa da morte de um amigo querido. Entendo perfeitamente sua angústia diante da ausência, da falta de uma despedida legal…

    Há, ainda, uma outra coincidência incrível. Meu filho, hoje com 25 anos, é diabético desde os 3. Você me emocionou tremendamente com seu texto.

    Lindo o seu espaço! Já o incluí entre meus favoritos.

    Beijoca!

  • Alini Raquel de Oliveira

    Sil…

    Vou ter que escrever a minha carta também….

  • Claudia

    Querida Silmara,

    vi esse título por dias no meu blog e esperei o momento de ler…
    Que coisa mais linda. Carta que chega com certeza!
    Um beijo em seu coração,
    Claudia

  • Laély

    Não conheci sua amiga, mas também fiquei com saudade. Lembrei do filme: “Nunca te Vi, Sempre te Amei”.
    À você, que nunca tinha visto, mas que já amava virtualmente, passei a admirar/amar mais ainda, depois de conhecê-la pessoalmente: linda!
    ( Falei que tem bom gosto: também gosto da Céu e tenho o cd com a música citada)
    abraço!

  • Raquel

    Como outros que comentaram antes de mim, também me emocionei.

  • Cris

    Olá Silmara, parei por aqui pela querida Lá…ando meio emotiva e ler teu texto me deu um nó na garganta. Despedidas são sempre difíceis, mesmo que você consiga dizer adeus, que tenha tempo para dizer adeus, é sempre adeus …
    Lindo texto e reflexão…posso voltar mais vezes? Bjinho!!

  • teresa s esteves

    Alo,Silmara!
    E a primeira vez que comento aqui…Eu nao tenho um blog ainda nao…Outro dia desses descobri o seu cantinho atraves da Laely…E comecei a ler e ler…E descobri tanta delicadeza e tanto conforto no seu olhar…Falo assim,porque e atraves das palavras que descobrimos como cada um olha para o mundo…E no caminho das suas letras encontrei aconchego e fui ficando…
    Essa carta de hoje,representa um pedaco da estoria de cada um de nos…As pessoas queridas que partem sem a gente poder se despedir direito…Lembrei muito do meu pai…Ele tambem fez a viagem em 2003…Eu fui me despedindo dele devagarinho…A doenca foi consumindo o corpo de forma lenta,mas (estranhamente ) foi fortalecendo o seu espirito…E fomos nos despedindo um pouco a cada dia…Nao pude lhe dar um ultimo adeus…Eu tambem estava gravida…E um dia, ele se foi…Como se uma brisa o levasse para um lugar muito distante…
    As vezes tambem penso,mais um pouco e ele teria conhecido o netinho mais novo…Vejo alguns filmes,escuto certas musicas e vem o pensamento de que ele teria gostado muito…Mas nao houve tempo e tudo segue o seu ritmo…Como as mares que sobem e descem,a vida se recicla e se reinventa!
    Ate hoje fico pensando…Como tem coisas que eu ainda gostaria de falar pra ele…Doi o vazio da sua falta!
    Mas como dizem todos, a vida continua…Olho para os meus filhos e sinto a presenca do meu pai neles…E tento decifrar as mensagens que ele deixou no meu coracao…
    Que pena que ele nao pode me mandar o seu alo…Faltava inventar uma internet no ceu…
    Desculpe pelo desabafo sentimental…Mas e que as palavras tocaram a minha emocao!
    Meu abraco emocionado pra ti!
    Teresa

  • LILIAN GRATTI

    Nossa, Sil… dessa vez vc me fez chorar… até tentei segurar o nó q deu na garganta, mas não consegui… Tb não sei bem pq, pq tenho amigos q já se foram, um em especial, o Diva, q foi embora na mesa de cirurgia fazendo seu tão sonhado transplante de fígado… Mas tb tenho amigos q amo q nem sempre estão perto… e amigos q nem sempre nos entendem ou não os entendo e a gente fica meio ‘de mal’… q coisa boba! VC TEM o dom das palavras! Amo seus textos, contos, crônicas e o q vier de vc! Amo seu blog! OBRIGADA! Bjs da Li

  • Marcos

    Sil, querida, que coisa mais linda…Me deu uma saudade enorme de todos os meus amigos que já se foram, mesmo sem mudar de dimensão, e do meu pai, que está me olhando de algum lugar. Você e sua visão de raio-x das nossas almas….Beijos e abraços carinhosos.

  • cris prado

    Olá querida!!!
    QUE COISA MAIS LINDA!!!
    bjs e boa semana

  • Marga Dambrowski

    A poesia está sempre infiltrada nas tuas palavras.
    A poesia está no teu coração.

    Beijo estalado, upa apertado.

  • Josi

    Lindo…
    Pensei em tudo que minha amiguinha de infância perdeu também… ela foi cedo demais aos quinze, ela foi cedo demais e deixou um vazio… mas me deixou um carinho imenso num abraço de sua mãe. Quem estava longe era eu, e quando voltei ela não estava mais lá. São anjos, Silmara… sem asas ou não, mas são….
    Um beijinho, querida
    Com essa saudade de mil braços que nos agarrou pela lembrança…

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 217 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: