Exagero

Ilustração: Mike Kline/Flickr.com

Sempre que passo ao lado dos caminhões da Prefeitura, aqueles que vão podar – ou mesmo derrubar – as árvores nas calçadas, fico angustiada. Diminuo a marcha. Por vezes, paro. E procuro ver se, nos escombros de folhas e galhos espalhados no chão, não há ninhos de pássaros. Não acredito que os rapazes incumbidos de missões assim tenham a preocupação de conferir antes das serras serem ligadas. Imagino o pequeno ninho, com ovinhos, ainda, despencando sob os pios desesperados de seus moradores. O coração aperta e chora. Mas sei que exagero.

Sempre que um temporal desaba na cidade, desses de fazer rua virar rio e vento destelhar casa, fico angustiada. Enquanto acompanho pela janela a fúria de Shu, regente do ar, e Netuno, das águas, rezo para que todo cão sem dono tenha conseguido abrigo a tempo. Faço figas e deposito nelas a força do meu desejo. E reconheço, também, o exagero.

Sempre que vejo – e vejo sempre – cavalo puxando carroça em subida, fico angustiada. Torço para que o pobrezinho dê conta da tarefa. Sinto vontade de guinchar a carga com meu carro, só para evitar a tragédia, amenizar o abuso. Vou observando de longe, pronta para agir, se necessário. Ciente, porém, do meu exagero.

Sempre que assisto na TV esses programas de natureza, especializados em exibir rituais de caça, fico angustiada. E concluo que jamais poderia ter abraçado a carreira de produtora, in loco, desse tipo de documentário. Assim que visse o leão faminto dando o bote no indefeso cervo, lá iria eu, chinelo em punho, espantar o rei da selva: Xô, gatinho malvado! Exagerada. E suicida.

Sempre que vou abrir a torneira da pia e nela passeia uma formiga, adio a intenção por alguns segundos. E fico angustiada. Não tenho condições de lançar-lhe, arbitrariamente, um jato d’água fulminante. Com o dedo, vou desviando-a do seu trajeto até que esteja em local seguro – a borda da pia. É. Eu exagero. (Confesso: ultimamente, colônias de formigas despejadas do terreno ao lado escolheram nossa casa para instalar suas galerias. Sem, no entanto, nos consultar. Dia sim, dia não, me enfezo com a ousadia. E, sem dó, acabo com centenas delas. De uma vez só.)

Isso só para ficar no tema da bicharada. Fosse falar de filhos, família, comida, espelho, medos, raivas, piedades, amores, felicidades, manias, aversões, a prosa seria infinita. Ou eu estaria exagerando?

Exagero é um comportamento que nasceu com peso e altura normais, embora tenha crescido mais que os amiguinhos durante a infância. É um defeito na retina do pensamento, que amplia imagens e histórias de acordo com as circunstâncias. Um não-sei-quê de incompreensão, sempre compreendida do jeito mais difícil. A lente de aumento do mundo. Que já é um mundão e tanto.

About these ads

7 responses to “Exagero

  • Raquel

    “É um defeito na retina do pensamento, que amplia imagens e histórias de acordo com as circunstâncias.”

    Que frase. Uma das mais inteligentes que já vi.

    Sem exagero. ;o)

  • Tati

    Oi Silmara, adorei o texto e achei muito oportuno. Há pouco mais de uma semana exagerei parecido, questionando o corte das árvores na rua em que moro! Senti-me em casa, até por que sou mega-exagerada… hehehe
    É sempre bom passar por aqui. Adoro o que leio, adoro a maneira como escreve. Um deleite!!
    Beijos,
    Tati.

  • Nara

    Oi Silmara!

    Vc é um exagero da arte de Deus quando ele criou a sensibilidade! Exagerei? Acho que não…

    Bjs

  • Marga Dambrowski

    Adoro exageros.
    Adoro teus textos.

    Beijo exagerado!

  • paula mello

    O que seria de nós mulheres sem o exagero?? Como justificar ao marido econômico que a gente “precisa” de um sapato pink todo decotado?? Como colocar filho e filha no devido lugar, nos estudos, na disciplina, sem exagerar e bastante? Coisas do tipo “se você não estudar bastante, não vai ser ninguém na vida” e outras frases de efeito escolhidas a dedo pelas mães profissionais…Não acho ruim, não! Afinal, nós, mulheres, exagero por definição, também temos coisas boas: exageramos no amor (e amor nunca é demais), no cuidado, no carinho, na profissão, na vida, sempre tentando dar o melhor de nós, não é?
    Chegará o dia em que as mulheres realmente dominarão o planeta, e aí sim, teremos uma explosão de cores exageradas, sapatos bacanérrimos a preço de banana, filhos obedientes e educados, e maridos exageradamente amorosos. Eu vivo pra isso.

  • Josi

    Exageros a parte, adoro passar por aqui de manhã bem cedo… E por falar em exagero, nosso país é um exemplo do tema. Política e politicagens em profusão, maldades, desigualdades e belezas mil. Criatividade e malandragem esperteza e ingenuidade, tudo se mistura por aqui…

    Um fim de semana lindo pra vc, SIlmara, isso sem exagero nenhum!!
    beijinho
    Jo

  • Laely

    Como diz naquela música: “exagerad(a), jogado aos seus pés! Eu sou mesmo exagerad(a)…”mente sua fã!

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 217 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: