O Corcel do Pequeno Príncipe

Foto: Guenno/Flickr.com

Ontem vi um Corcel II, aquele carro antigo da Ford, estacionado em frente à padaria. Meu pensamento, como o ágil cavalo, deu um galope. Segurei suas rédeas com força e lá fui eu, de volta aos anos setenta.

No primário, havia um menino na minha classe. Loiro, olhos claros, ares de Pequeno Príncipe. Só tirava notas boas, sentava-se na primeira fileira, nunca esquecia o material, jamais faltava, sabia todas as respostas, era amigo de todos, sempre entregava os trabalhos no prazo, seu uniforme permanecia imaculado durante a aula inteira. Reinava absoluto no pequeno planeta do quadro-negro. E levava mesmo jeito para a nobreza: encarnou Dom Pedro I num desfile de Sete de Setembro na principal avenida do bairro. As professoras o idolatravam. Cansei de ouvir: por que nós, o resto da turma, não éramos como ele? Seus pais mantinham uma pródiga loja de calçados no pedaço. Hoje, não resta dúvida: foi sua família a grande inspiradora dos comerciais de margarina.

Um dia, na aula, vieram me contar. Ele havia dado um carro para sua mãe. Coisa fina: um Corcel II. Dourado – só poderia ser. E, de acordo com as informações que circularam, ele o havia comprado com o dinheiro da sua própria poupança. As professoras, fãs confessas do menino-príncipe, foram ao delírio. Até hoje ecoa na minha mente a estupefação de uma delas: “Que homenagem mais linda! Vocês [nós] deveriam fazer o mesmo”. Imaginem só, um menino comprar um carro zero-quilômetro. Hoje isso ainda seria um feito. Calcule-se o que pode ter representado – para ele, sua mãe, seus vizinhos, o corpo docente da velha escola estadual – mais de trinta anos atrás. (Tenho cá para mim que a história talvez não tenha sido exatamente assim. Pode ser que ela tenha sido um pouco abrilhantada, com a ajuda de algumas ferramentas do marketing pessoal.)

Eu nunca dei um carro para minha mãe. Meus presentes e agrados sempre foram mais singelos. Certa vez, eu era bem pequena e era seu aniversário. Abri sua gaveta, escolhi uma de suas blusas preferidas, que ela mesma havia comprado, fiz um embrulho bem bonito e a dei para ela. Ela achou graça, disse que adorou. E eu nem corri o risco de errar o número. De outra feita, ela estava adoentada. Resolvi preparar-lhe um café com leite bem saboroso. Afinal, eu me sentia eternamente responsável por aquilo que, todos os dias, cativava. Aproximei-me de sua cama com a bandeja, orgulhosa. Ela o bebeu com gosto, elogiou e quis saber onde eu havia encontrado leite, se o da geladeira havia acabado. Respondi: na tigela do gato. Não houve bronca alguma. Mães são outra categoria de ser humano. (A qual eu, em tese, pertenço, embora tenha perdido alguma coisa pelo caminho.)

Mas o Corcel II do Pequeno Príncipe. Não sei se desenvolvi um bloqueio psicológico a partir dessa experiência, mas o fato é que nunca consegui manter uma poupança. Já iniciei várias, todas prontamente encerradas diante da primeira oportunidade ou necessidade. Poupar não é comigo. Sinto uma tremenda inveja de quem tem algumas economias guardadas. Se, desde o dia em que nasci, o equivalente a um real fosse depositado numa conta, qual seria meu saldo quarenta e dois anos depois, com os devidos juros e correções? E todos os sapatos que comprei na vida, além do necessário, equivaleriam a quanto? Será que daria para comprar um carro para minha mãe? O que, no entanto, seria absolutamente inútil. Primeiro, porque ela nunca aprendeu a dirigir. Segundo, porque onde ela vive agora ninguém anda de carro. Estrela não tem rua.

About these ads

14 responses to “O Corcel do Pequeno Príncipe

  • Laély

    Silmara, tô aqui me culpando e perguntando como posso ficar sem passar por seu “fio”, regularmente?!
    Também faço viagens nos seus textos: não sei se rio ou se choro. Mas fico a pensar: no menino da primeira série, que ajudava a me proteger e nunca mais encontrei, de quando minha mãe chegou do trabalho numa noite e me pegou em pé, em cima de um banquinho, lavando a louça, só pra que eu pudesse ajudá-la, do Corcel II…

  • Camila

    Tão bom quanto ganhar o Corcel II. Melhor: quanto ganhar café com leite bem saboroso. Porque o toque de humor na medida certa sempre faz bem :-)

    Beijo, Sil.

  • Ana

    “da tigela do gato” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk amei!!! muito bom seu retalho de memória! beijos

  • Pati

    hahahha Poupar também não é comigo!!!
    Lindo texto!

  • Brisa

    Ai… Muito lindo! Mas fiquei triste no final… Coração apertado. Talvez poque um dos maiores medos da minha vida seja perder meus pais e irmãos…

  • silmaraemutah

    Rssss. Eu roubei dinheiro da carteira da minha mae. Foi pra comprar um presente de dia das maes. A professora disse pra trazer qualquer valor, por menor que seja a escola. Eu ambiciosa, roubei a maior nota de cruzeiro e a professora me mandou devolta pra casa com a quantia dizendo que era muita coisa e ficou por aquilo mesmo. Acabei nao pagando nada pelo presentinho.

    Hoje eu a presenteio com passagens aereas, pra ela vir me ver, mas ela recusa. Nao quer vir pra ca, nao gosta daqui.

    Agora, o leite do gato… voce me mata de rir.
    Bjos

  • Erika Sousa

    Postei sua poesia das chaves no meu blog… com credito!
    beijos

  • Uerlle Costa

    Nunca aprendi a poupar grana.
    Mas depois que tive que mudar-me pra outro estado para fazer minha faculdade de viver longe dos meus pais finalmente aprendi.
    E eh muito bom porque nunca estou em apuros.

    Beijos

  • Bel

    Que lindo… todas as partes, nem dá pra destacar nada. Fiquei arrepiada.

    Beijo!

  • Josi

    Sil…
    Na segunda série, sentava bem na minha frente um menino assim. Loiro, olhos verdes, magrinho, lindo de sorriso perfeito, era o mais inteligente da turma, suas notas enchiam os olhos da professora e ela sempre tinha um sorriso de protidão pra ele. Seu nome era Élcio, o sobrenome não me recordo. Na correção das redações, era bem comum que a professora pedisse que cada um trocasse de redação com o colega da frente pra que este a corrigisse. E o meu tormento era trocar de redação com ele. Um frio na barriga, uma vontade de fugir. Pois ele corrigia rigorosamente meus malfadados garranchos e meus errinhos de português de atenção não eram poupados. Mas um dia, quase no fim do ano o Élcio me surpreendeu. Eu ficava prestando atenção a cada vez que o braço dele se mexia, pois era lógico que tinha encontrado um mais um erro, mas daquela vez, não foi o lápis que ele uso pra anotar o errinho e sim uma borracha e o lápis… Ele havia corrigido mesmo, arrumado meus errinhos e assim a minha nota não seria tão baixa … fique “de cara” quando ele me devolveu a folha quase sem anotação de erro e o sorriso dele não me sai da cabeça… Tenho certeza que o Élcio não deu um carro pra mãe dele, mas ela devia ter muito orgulho dele pois demonstrou ter um grande coração, numa atitude tão simples e que de certa forma foi também uma traquinagem de criança, um delito leve digamos assim… mas eu nunca esquici o princepesinho da minha sala… e seu texto me trouxe essa lembrança de 30 anos …
    obrigada
    Josi

  • Eduardo Coelho

    “Estrela não tem rua.” Lindo.

  • Marília

    Oi, Silmara!

    Uns dez anos atrás minha mãe tinha um Corcel II. Era branco. Me lembro dos dias em que eu acordava atrasada e lá ia minha mãe pra garagem esquentar o carro, que era a álcool, pra me levar pra escola.

    O que eu mais gosto dos seus textos é que eles sempre me fazem lembrar alguma coisa da minha infância. Isso é uma delícia!

    Beijo!

  • Fernanda

    Corrigindo:
    – Grandes gestos que, também, têm seus significados.

  • Fernanda

    Pequenos gestos com grandes significados.

    Grandes gestos que, também, tem seus significados.

    Certeza, de que amamos com os nossos.

    Lindo seu post. Como sempre inspiradores!

    Tenha um dia singelo!

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 243 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: