Sobre tempos e feitiços

Ilustração: Eurritimia/Flickr.com

Faltavam dois minutos. Acelerei, passei o sinal vermelho, ultrapassei um ônibus, virei à direita e entrei no estacionamento. Apertei o botão, retirei o cartão, a cancela se abriu, engatei a primeira. Voei até a locadora e… fechada. Como, se ainda faltava um minuto?

No meu relógio ainda não eram onze horas. Mas na locadora já devia ser. Lojas têm um fuso diferente – estão sempre adiantadas. Já perdi a conta de quantas vezes uma porta se fechou diante do meu nariz, enquanto do outro lado alguém com um sorrisinho misturando pena e ironia apontou didaticamente para uma placa com os horários de funcionamento, ou então fez um gesto com as mãos mostrando que já encerraram por aquele dia – numa mímica cruel – e em seguida desviou o olhar.

De volta ao carro, olhei para os DVDs no banco do passageiro e calculei a multa. Uma ninharia, perto do desaforo de retornar com eles embaixo do braço. Por conta de um minuto. Ou nem isso. Já na saída do estacionamento, lembrei-me que a locadora poderia ter Quick Drop. A gente nem precisa entrar, devolve tudo lá de fora mesmo, através de uma espécie de portinhola. O DVD escorrega por uma canaleta e pronto. Está devolvido. Antigamente o método era um pouco constrangedor, dependendo das instalações: todos na locadora – funcionários e clientes – eram ‘avisados’ de que alguém devolvera seus filmes. Uma barulheira.

Esperançosa, dei a volta no quarteirão e entrei novamente no estacionamento. Apertei o botão, retirei o cartão, a cancela se abriu, engatei a primeira. Tudo precisamente idêntico à cena de, quanto?, uns dois minutos atrás. Mesmos movimentos dos meus braços, mãos, cabeça, olhos. Mesmo carro, mesmo som do mesmo motor, mesmo abre-fecha da cancela. Era uma cena nova, de fato. Incrivelmente velha, conhecida e usada, porém. Um rapaz, recostado a um pilar ao lado da cancela, certamente desde antes da minha primeira entrada e, tendo percebido a repetição, assistiu à segunda com certo assombro inicial. A baforada de seu cigarro foi interrompida, sua boca permaneceu no movimento de quem pronuncia a letra “o” e seu olhar, incrédulo, me seguiu. Deve, por um instante, ter pensado com sua bituca se estava a ver coisas. Ri.

Quem assistiu “O feitiço do tempo” – filme antigo e instigante – já deve ter posto a imaginação para trabalhar e deu continuidade à história. Verdade seja dita: é sempre um divertido exercício, tremendamente inspirador, esse de pensar na repetição constante de um dia e de todos os fatos que se desenrolam nele. Sempre do mesmo jeito. À mesma hora. Nos mesmos lugares. Com as mesmas pessoas. Sob os mesmos propósitos, conscientes ou não. O que se tira disso é impressionante, ainda que somente sob um aspecto: misture-se o azul e o amarelo e sempre se terá o verde. Não adianta querer que dê roxo. Adicione-se água à terra e sempre se terá o barro. Assim é com as nossas ideias. Relacionamentos. Planos. Roupas. Comidas. Casas. Gostos. Passeios. Atitudes. Sonhos. Opiniões. Trabalho. Dinheiro. Saúde. Fé. Para tê-los diferentes dos nossos velhos conhecidos, não tem jeito: as fontes, as referências, precisam ser outras.

Meu dia (ou meu filme) escapou do feitiço do tempo e mudei o final da história. Afinal, a locadora não tinha Quick Drop.

About these ads

6 respostas para “Sobre tempos e feitiços

  • Eurritimia

    Acho que já vi esse filme faz um tempão… Não me lembro mais dos detalhes direito.
    Às vezes acontece comigo de estar fazendo alguma coisa e eu pensar: acho que já fiz isso dessa maneira!

    Quando eu fiz essa ilustração, eu tava justamente com uns pensamentos de o tempo andar pra trás pra quem sabe depois andar pra frente novamente. Tava pensando na fluidez do tempo…

    Curtir

  • Rafa

    Poxa! Fiquei sem o contexto do filme. Mas pensei na minha rotina. Nas pessoas que encontro todo dia enquanto vou para o trabalho, mas que não estão lá se atraso cinco minutos…
    E “cinco minutos de atraso”, em alguns casos, renovam tantas ideias e opiniões e tudo…

    Curtir

  • Laely

    Engraçado, Silmara: no meu post de passagem de ano, mencionei e usei este filme maravilhoso, como tema.

    Curtir

  • Layla Barlavento

    Já imaginou Sil, podermos fazer igual ao personagem do filme e ter a chance de corrigir nossos erros e aprender a viver melhor com as pessoas? Descobrir o verdadeiro significado da vida e das pessoas que nos cercam, poder se arrepender de uma grosseria e no instante seguinte voltar atrás e corrigir o erro? Seria maravilhoso e ao mesmo tempo perigoso concorda?
    Queria poder fazer isso ao menos uma vez na vida…

    Acho a idéia do quick drop fantástica. Aqui em Recife não temos esse serviço também, uma pena.

    Beijos na alma!
    Layla Barlavento
    culpadowalter.blogspot.com

    Curtir

  • Camila

    Genial a ideia do Quick Drop, Sil. Pena que eu não vi esse filme para sua crônica ficar genial e ter o devido sentido. Desse final de semana não passa.

    Beijo!

    Curtir

  • paula mello

    Engraçado essa coisa do tempo…Eu tb amei o filme, e penso nele sempre, se eu faria a mesma coisa, se teria a paciência suficiente, se daria a volta por cima e aproveitaria aquele momento ao máximo…Mas não é disso que a vida se trata? Aproveitar ao máximo não só no sentido do fruir, do desfrutar os prazeres, mas aproveitar e aprender, a conviver, a ser útil, a tocar um instrumento, a conquistar um verdadeiro amor…As mudanças nunca são aparentes, mas são profundas. Marcas que nós teremos como cicatrizes de guerra, histórias para contar aos netos. Uma aventura.

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 269 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: