O dia em que fui ao clube

Foto: Jim Frazier/Flickr.com

Viagens no tempo são sempre fascinantes. A vontade de pousar noutra época vive no imaginário das pessoas desde que o mundo é mundo. Por curiosidade ou arrependimento, a gente vive querendo dar um pulinho na história, para trás ou para frente. E nessa hora qualquer coisa serve de transporte, nem precisa ser máquina do tempo.

Pois eu acabo de arrumar um bom transportador. Ganhei o livro de um amigo de infância. (Desses que a gente conhece depois de grande.) O título vai logo avisando que os sonhos não envelhecem. É sobre os rapazes que, nos anos sessenta, inventaram de compor, cantar e tocar de um jeito que só eles. Eles não sabiam disso na época. Mas cada canção daquela turma é, para mim, motivo para o desejo de viajar. Só para dar uma espiada em como tudo começou. Para ver, sobretudo, o Milton antes de ele ser o que é. E o bom de viajar no tempo é que a gente pode inventar umas coisas aqui e ali.

Minha viagem foi de trem. Porque viagem no tempo que se preza não é assim, pá-pum, como nos filmes. Não é só dormir e acordar em outro século. Nem é atravessar o fundo falso de um armário e dar de cara com castelos e távolas redondas. Muito menos entrar num carro maluco e encontrar seus pais quando eles nem sonhavam em se casar. Viagem para Minas Gerais, inclusive as que cruzam o tempo, precisa ser contemplada. Eu até que fui perto – quatro décadas atrás – mas sacolejei um bocado na velha estrada de ferro. O livro e eu.

Desço na estação de Belo Horizonte. Confiro nos jornais de uma banca o dia em que cheguei. Abro o livro: esse está bom. Não foi difícil achar a avenida Amazonas e o tal do Edifício Levy, onde parte da turma morava e se reunia no começo. Como os tempos eram outros, entro no prédio sem precisar dizer a ninguém aonde eu vou. Nem ser anunciada. Ponho o livro sob o blusão, pego o elevador e subo ao 17º.

Toco a campainha e uma senhora abre a porta. Apesar de estar ainda na página trinta e sete do livro, deduzo que é dona Maricota, mãe do Márcio, o Borges, contador da história. Ela me olha da cabeça aos pés. Eu deveria ter colocado um vestido, ninguém usava moletom ainda. Finjo que sou uma conhecida e arrisco: Os rapazes estão aí? Torço para que ela entenda; se eu tiver que explicar alguma coisa, estarei perdida. Ela sorri e me convida a entrar. Pergunta se eu não sou a irmã de uma vizinha lá de Santa Tereza. Aproveito a deixa. Ela aponta o “quarto dos homens” e lá vou eu. No corredor, ela me chama, e eu estremeço. Eu ia levar esses biscoitos para eles, mas você pode levar. Preciso tirar o feijão do fogo.

Bandeja na mão, livro escondido, descubro o quarto pelos acordes que vêm dele. Estremeço de novo: onde é que eu havia amarrado minha égua? Não tinha ideia do que veria. Mas sabia que um Milton de boina é que não seria. Respiro fundo e bato duas vezes na porta.

Quase certeza: é o próprio Márcio, novinho, quem abre. Comecei a achar péssima aquela história de viajar no tempo. Ele me olha da cabeça aos pés, não entende o tecido da minha blusa. Perpetuando a confusão, vou logo dizendo que sou irmã da ex-vizinha e só estava entregando o lanchinho. Os quatro rapazes param de tocar. Um Milton – muitíssimo diferente, sentado em uma das camas – me salva, Já estava com fome. Não resisto. Então você é o Milton Nascimento… Ele corrige, enquanto abocanha um biscoito: Milton do Nascimento. Solto: Ninguém fala o ‘do’.

A situação, já esquisita, fica insólita de vez. Meia dúzia de palavras trocadas, estico os olhos para os papéis sobre o criado-mudo, na ingênua esperança de ler alguma coisa familiar. Sinto o livro querendo aparecer sob o blusão. E, sem ter nada a dizer, despeço-me, tentando decorar cada centímetro do que vira. Digo que preciso voltar à estação. Os rapazes já devoraram os biscoitos e agora retornam ao ensaio.

Já estou de saída do quarto quando Milton pergunta, Qual trem você pega? Invento, já que para viajar no tempo qualquer um serve: O das dezoito. Ele acena e diz: Depois, mande notícias do mundo de lá.

About these ads

12 responses to “O dia em que fui ao clube

  • Giu

    Que ótima viagem!
    Eu moro no edifício Levy e morro de curiosidade sobre aquela época.

  • Bel

    Eita! Que delícia de viagem… mas eu sou tontinha, diz aí o nome do livro, please!
    Eu quero pra mim… o trem, a viagem, o quarto dos homens, os biscoitos… e as notícias do mundo de lá!

    Bjooo

  • Su

    JesusMariaeJosé…realmente as palavras acalmam e nos fazem viajar sem sair do lugar…

  • Priscila

    Essa viagem foi tão linda, que até daqui eu senti o sacolejar do trem. Ficou faltando só um pão de queijo, rs. Nada como um livro capaz de nos levar a lugares diversos.bjo!

  • Ana

    Hehe… eu adoro clube da esquina.. inclusive postei uns dias atrás minha memória de faculdade, embalada pelo som deles: http://alcampanha.blogspot.com/2009/09/desde-1998.html

  • Ana Paula Monteiro

    Ai Sil…..

    Você como sempre ótima!!! Um texto lindo de viver!!!!
    Menina, mas que vontade que deu de te pegar pela mão e fazer contigo uma viagem nos tempos atuais. Nada de passado ou futuro.
    A BH de hoje, a BH que eu tanto amo: do delicioso bairro de Santa Tereza (pertinho da minha casa), da praça da Liberdade num fim de tarde, da praça JK num sábado ensolarado. A BH da praça do Papa para ver a cidade toda iluminada á noite.
    Levar vc para o Café com Letras, para a Cantina do Lucas no Maleta e para o macarrão do Bolão na praça Santa Tereza.
    Sentar no Chiarella para almoçar e esquecer da vida.
    E te levar para conhecer o Rommel no delicioso Jerimum em Macacos, que foi um frequentado pela nossa queridíssima Cris Guerra.
    Ai Sil….pena que o tempo será tão curto….
    Beijos, beijos

    Ana

  • Rafa

    Ah! Só pra dizer que lembrei de você ontem enquanto assistia, no Conservatório, ao DVD “A sede do peixe”. E pra afirmar que vou pensar em você no show do Milton sábado. rs

  • Rafa

    Acredito que você viajou no mesmo trem que eu. No mesmo vagão, pra ser bem exato. E posso garantir: ainda tem muita emoção pela frente. Estou muito, mas muito feliz. E muito emocionado. Quando voltar pras bandas de cá, não esquece de parar da “estação do nosso café”.

    Um beijo com carinho e com uma saudade gostosa, que tem gosto de suco de laranja e chá de maçã.

  • Rosana Tibúrcio

    Amo mais ainda seu “amigo de infância” por ser, de certa forma, o condutor desse trem.
    Lindo, lindo e lindo o texto. De emocionar.
    Quero taaaaaanto ler esse livro também.

  • Ana Karina

    Eu tenho esse livro e também fiz essa viagem. Só no tempo, pq pertenço a esse espaço. Acredita que, morando em BH, não sei onde é o Levy? rs. Mas sei da Rua Rio de Janeiro, que eu subi e desci diariamente por dois dos melhores anos da minha vida, quando estudava no Estadual Central em que eles tbm estudaram. E do bairro de Santa Tereza, onde sonho em morar um dia. E da Cantina do Lucas, no Edifício Maleta. E de toda essa Belo Horizonte que eu amo e que parece que vc tbm…
    Amo a parte em que ele conta como compôs “Um girassol da cor do seu cabelo”…
    Um beijo grande

  • Joseliane A. Stanger

    Aposto que foi uma boa viagem! Ainda mais pra encontrar o Milton…
    um bejinho Sil.

  • Silmara

    Incrivel como alguns estao sempre a frente de seu tempo.
    “Ninguem fala o do” foi otimo! Me senti como se viajasse no trem com voce.
    Abracos.

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 242 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: