Ruim da cabeça

Ilustração: Christo Bakalov/Flickr.com

Você, que sai para trabalhar todos os dias às oito e quinze em ponto e nem nota as florzinhas que caíram da velha árvore sobre seu carro durante a madrugada. Que desaprendeu a ouvir o vento e não reconhece mais o cheiro de chuva chegando. Que não tem nenhuma fotografia de nenhum amigo de infância.

Você, que cantou parabéns para seu avô calculando o quanto a festa tinha lhe custado. Que gostava de enrolar os dedos nos cabelos da sua mãe para dormir e hoje só dorme direito se estiver sozinho. Que já quis ter um dragão e não deixa seus filhos terem um cachorro.

Você, que puxou o tapete do seu colega de trabalho e depois foi chorar no banheiro, mais por raiva do que por remorso. Que não confessa para ninguém o que lhe dá medo de verdade, com medo da coisa acontecer. Que nem ficou sabendo que o bebê da vizinha já nasceu. Que não deixou sua filha ouvir o moço que tocava violino na rua, para não se atrasar na consulta com o médico. Que não se deu conta do quanto se parece com seu pai.

Você, que nunca saiu de pijama na rua e não sabe o que é nadar pelado. Que entrava na casa da sua avó e sentia o aroma do pão assando e ia correndo beijá-la, com saudade e fome, e hoje faz abaixo-assinado para tirar a fábrica de biscoitos do seu bairro.

Você, que sabe o quanto seu funcionário caprichou no relatório, mas preferiu lembrá-lo dos itens que faltaram. Que veste um sorriso diferente conforme a roupa do freguês. Que não gosta que seus filhos brinquem descalços.

Você, que nunca levou um gatinho para casa e implorou aos seus pais para ficar com ele. Que nunca apertou a campainha e saiu correndo. Que não tira o relógio e nunca tem tempo. Que não percebeu que derrubaram o ipê amarelo da sua rua. Que sonhava em ver um show dos Beatles e hoje nem liga para a coleção deles bem ali, na sua estante.

Você, que nunca andou na contramão. Que não espera seu filho tentar amarrar o sapato sozinho e já vai amarrando por ele. Que não perdia um dia de Vila Sésamo e que hoje se irrita com tudo na TV que não seja noticiário.

Você, que vê o olhar do cão faminto e engole o último pedaço do salgadinho. Que vai de carro a dois quarteirões da sua casa e acha isso normal. Que cruzou com a empregada hoje cedo na cozinha, disse bom dia mas não até amanhã. Que se irrita sempre com o motorista da frente. Com o do lado. Com o de trás também.

Você, que tem barco, mas não tem amigo de verdade. Que quando criança queria viajar numa nave espacial, e hoje diz para seu sobrinho de quatro anos que essas coisas não existem.

Você, que não tem ninguém lhe esperando em casa.

É com você mesmo que eu estou falando. Eu tenho notícias. Primeira: você é ruim da cabeça. Segunda: talvez seja doente dos pés, também. Terceira: esse samba esquisito que é a sua vida tem conserto.

About these ads

28 respostas para “Ruim da cabeça

  • Marília

    Hummm a maioria das coisas aí eu fiz, ou faço.
    É uma delícia prestar atenção às coisinhas simples.
    Lindo texto.

    Curtir

  • Michele

    Mais uma vez estou por aqui lendo e relendo seus textos e me deparo com esse Putz…maravilhosooo!!!

    Curtir

  • Brunno

    Oi, Silmara.

    Como disse (lá em um comentário do Olhar Mutante), continuo percorrendo o “fio da meada”. :-)

    Muito bom esse texto. Conforme eu fui lendo, a cada parágrafo, eu ia ouvindo ao fundo (da minha cabeça) uma música, que foi em crescente até terminar a leitura…

    Pensei até que você fosse terminar com o refrão dela (dessa música), porque tem tudo a ver (na minha opinião).

    E, para acabar com rodeios, a música que ficou tocando na minha cabeça enquanto lia seu texto era: “A Tonga da Mironga do Kabuletê”. “Eu vou é mandar você… pra tonga da mironga do kabuletê” :-)

    Beijos,
    Brunno – http://olharmutante.wordpress.com

    Curtir

  • carolina de castro

    Perfeito!Tu é A CARA!
    Sou muito tua fã!

    Beijos!

    Curtir

  • Laély

    Posso dizer que fico no meio termo?!
    Não tenho paciência no trânsito, quero tudo rápido, lerdeza me aflige, mas ainda paro: para olhar o céu azul, reparar o chão, amarelo de flores de ipê caídas, ouvir menino dando gargalhada, afagar a barriga do gatinho, sentir o cheiro do cafezal em flor e do pão, saindo do forno…
    Tô longe do ideal, mas como escreveu: tudo tem conserto!

    Curtir

  • Taffarel Brant

    Gozado que muito do que você nomeou lá em cima, eu fiz… Relembrei de tanto da minha infância, Silmara.

    Que texto interessante.
    Abordagem rápida e precisa.

    Grande abraço!

    Curtir

  • Renata

    Silmara,
    Que bom que a vida é cheia de contrapontos: para estrago, conserto; para doença, cura; para pessoas “ruim da cabeça”, textos transformadores como este que você escreveu!
    Parabéns! Muito lindo mesmo.
    Grande abraço,

    Renata Feldman.

    Curtir

  • Simonne Almeida

    Oi Silmara, já estava com saudades de passar por aqui. Conheço muita gente que precisa ler este texto todo dia. Vou fazer minha parte e divulgá-lo. Beijos e afagos, da Si.

    Curtir

  • Ana Paula Monteiro

    Sil,

    Lindo, lindo, lindo. Mas muito lindo mesmo.

    Que bom voltar e encontrar logo cedo um texto tão maravilhoso. Você é mesmo fora de série.

    Beijos

    Ana

    Curtir

  • Eduardo Coelho

    Bom demais esse seu texto. Parabéns novamente.

    Curtir

  • Pri

    Que Texto Lindo!!! Bjs!!

    Curtir

  • Mani

    Silmara,

    Amei o texto!!! Muito mesmo! Um abraço…

    Curtir

  • Marie Luna

    Silmara,
    Estou acompanhando seu blog já faz um tempinho… Agora decidi criar um, inspirada em você. Não chego a seus pés, estou engatinhando, mas amo seus textos. Adicionei o seu, na lista dos meus preferidos, ok?
    Obrigada por existir.
    Um beijo da Marie.

    Curtir

  • Tia G

    Prezada Silmara,
    Amei seu texto e fiquei feliz em constatar que ainda estou lúcida. Lembrei de algumas pessoas que são tão pobres, mas tão pobres que só teem dinheiro. Bjão e que Deus te conserve o dom de escrever.
    Tia G. (www.tiagenuina.blogspot.com)

    Curtir

  • Sol

    Linda, acho que sou boa da cabeça. Porque, pra certas coisas, a maioria na verdade, eu sou ainda meio criança. Porque não adianta a gente correr tanto pra no fim das contas, não chegar à lugar algum, não é mesmo!?

    Curtir

  • Ana Laura Rabelo

    se superando…simplesmente AMEI!!!

    beijos,

    AL

    Curtir

  • Fabiane

    Silmara, sou leitora nova do seu blog e a cada texto fico mais encantada. Como já comentado, dá vontade mesmo de imprimir esse belo texto e entregar a cada pessoa que cruzamos na rua. Parabéns!

    Curtir

  • Rafa

    Eu que defendo a causa das “coisas simples da vida” tô vendo que tenho esquecido muitas elas. Agarro seu conselho: tudo nesta vida tem conserto.

    Abraço forte, Sil!

    Curtir

  • Si Collet

    tem concerto pq depende de nós.. dpende da atitude d cada um! Bom diaa! bjocas

    ps: sobre a historia da abelha, nao postei ainda, tá salvo como rascunho pq tô sem tempo d terminar meu comentário!!

    Curtir

  • Ivana

    Silmara,

    Não vou dizer que conheço gente assim. Todos nós, inclusive eu, em determinados momentos de nossas vidas, por um motivo ou outro, ou mesmo sem motivo algum, acabamos adotando alguns desses comportamentos. Triste, mas é a pura verdade. Ainda bem que tem conserto!

    bjs

    Ivana

    Curtir

  • Debora

    Sil, conhecemos algumas pessoas assim…. mas confesso que quero distância delas!!!! Quero gente feliz ao leu lado!
    Belas palavras. Bjos !
    Debora

    Curtir

  • Vívian

    Comentário curtinho só para dizer que:
    Suas palavras me animam, me inspiram, me fazem chorar e sorrir com a mesma intensidade. Lindo texto!

    Bom dia!!!

    Beijocas, Vívian

    Curtir

  • Renata Malachias

    Lindo.
    Dá vontade de sair entregando na rua.
    Beijos!

    Curtir

  • Dani Guedes

    Ops…conserto.

    Devidamente consertado! rsrsrs

    Curtir

  • Dani Guedes

    Saber que tudo tem concerto me dá um alívio danado!

    Bjos Sil.

    Curtir

  • Noéle

    Lindo Lindo Lindoooooooooooooooooooooooooooooo

    que bom que tudo tem conserto amore, que bom lindeza…

    to aqui com o coração feliz depois de todas essas belas palavras…

    mil, mas milllllllllllllllll bjos da flor roxa hhuahuhuahua

    Curtir

  • Amanda Proetti

    Já virou rotina checar meus inspiradores no lado direito da página um a um e notar que este aqui foi atualizado há algumas horinhas e sentir o coração cheio por saber que certamente o dia começará melhor depois de ler um lindo e inspirador texto.

    Beijo

    Curtir

  • beto ruschel

    Cumadra.

    Pela vida, soube que as maiores feiticeiras, as mais efetivas, eram tecelãs.

    Seus encantamentos – dias e noites fiando, tecendo, pensando os fios em pontos especiais tal e qual os druídas teciam suas poções – iam vestindo as pessoas. Agasalhavam seus corpos dando-lhes rumos e ensinando-lhes os caminhos para chegarem ao baile dos astros brilhando como luminosas estrelas.

    Elas diziam que uma quarta notícia seria o pé da mesa que faltava.

    Vista-se, arrume-se, dê sentido às notícias do seu interior na sua vestimenta da manhã. Saia pra vida sabendo que, um pé depois do outro, tecendo a sua estrada, todas seremos feiticeiras e todos serão druídas.

    Mas sabendo que a vida começa com o fio da meada de cada dia.

    Cumpadro

    Curtir

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 266 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: