Os peixes (miniconto para um domingo invernal)

Anderson Augusto/Flickr.com

Ontem falei com o vizinho da casa ao lado, não sabia que ele era vesgo. Ficou irritado quando fixei meu olhar no dele, para entender melhor aquela vesguice toda. Fui avisá-lo que uma moça havia procurado por ele à tarde, e como ele não estava, ela bateu aqui em casa, “Você sabe se o Artur viajou?”. Fiquei sem graça de responder para a moça das botas vermelhas. Eu não sabia o nome do vizinho – muito menos se costumava viajar – , embora ele morasse ali há anos. Mudou-se para a nossa rua no dia em que tia Tetê morreu. Era um domingo frio de agosto, um entra-e-sai na nossa casa o dia inteiro. Gente que vinha saber como havia sido, prestar condolências, comer os salgadinhos da Damiana. Foi o único dia em que ele, o vizinho novo e ligeiramente sem noção, falou comigo: “Animada, a sua casa!”.

Tia Tetê morava conosco desde que tio Jaime ficara louco. Ele cismara que ela queria envenená-lo, e então decidiu que faria o mesmo com ela. Fazia suspense com a pobrezinha: “Vamos ver quem morre primeiro?”. E a tia não conseguiu mais tomar seu cafezinho em paz, sempre achando que ele colocaria alguma coisa na sua xícara. Meu pai não aceitava internar o único irmão. Naquele final de semana de agosto, tia Tetê fora com uns amigos para a praia. Não era acostumada com o mar. Distraiu-se. Acharam seu corpo dois dias depois, inchado e azul. No velório, perguntei ao meu pai se ela engolira muitos peixes, para ter ficado daquele jeito. Eu tinha oito anos.

“Você é o Artur?”, perguntei, assim que ele abriu a porta. Já fui explicando, a moça das botas. Ele encostou a porta atrás de si, como se não quisesse que eu visse lá dentro. Como não a fechara direito, espichei o olhar. Apenas um piano encostado à parede. E mais nada na sala comprida com piso de tacos, daqueles antigos. “Ela ficou de voltar”, avisei. Ele agradeceu e fechou a porta. Não perguntou meu nome. E eu não entendi como nunca ouvira som de piano algum vindo de sua casa, naqueles seis anos.

Um ano depois de tia Tetê, foi a vez do tio Jaime. Ligaram de madrugada em casa. Meu pai sentou-se na poltrona ao lado da janela e chorou. No dia em que foi buscar as coisas do tio no asilo, chorou de novo. Dois ternos, sete pijamas, um par de chinelos, duas alianças de ouro guardadas num vidrinho de maionese vazio e uma bíblia, com metade das páginas arrancadas. Um funcionário contou que nos últimos dias o tio cantava sem parar, numa voz miúda:

A canoa virou

Por deixar ela virar

Foi por causa da Tereza que não soube nadar

Se eu fosse um peixinho e soubesse nadar

Eu tirava a Tereza lá do fundo do mar

Hoje acordei bem cedo. Artur era seu nome, então. Artur era vesgo. E tinha um piano.

Pela manhã, estudei na sala, em frente à janela. De plantão, caso a moça das botas voltasse. Depois do almoço, apanhei minha mochila e saí. A casa do Artur estava silenciosa e fechada, como sempre. Assim que cheguei à calçada, um carro estacionou em frente à casa dele. Era ela. Desta vez, com brilhantes botas pretas. Carregava com dificuldade um pequeno aquário vazio embaixo do braço. Na outra mão, pude ver um saco plástico com dois peixinhos dentro. Ela me viu, sorriu e tocou a campainha com o cotovelo. Acenei de volta e apertei o passo. O professor da primeira aula não deixa ninguém entrar na sala depois dele.

About these ads

10 responses to “Os peixes (miniconto para um domingo invernal)

  • Lúcia Soares

    Lindo, lindo. a gente fica sem saber onde está a realidade ou a ficção. Bom demais.

  • Simone Huck

    Delícia ler suas coisas. Ainda mais num dia em que me sinto uma sala enorme apenas com um piano no canto… rs.
    Saudades,
    Huck

  • Hoje não tem. | blog da silmara franco

    […] se for do agrado, tem velho. Em minha página no Facebook, eu rebloguei como sugestão de leitura “Os peixes (miniconto para um domingo invernal)”, publicado aqui originalmente em 19 de julho de […]

  • Rafa

    Continue com os contos, POR FAVOR!

  • Cristiane

    Uau! e é um conto! Um conto muito gostoso por sinal. Tão bom, que pensei que tivesse acontecido tal qual. rs.

  • Cristiane

    Adorei este texto: a sensibilidade, o ritmo da narrativa, o jeito gostoso de contar uma história pontilhada de sentimentos. Muito bom!

  • Joseliane A. Stanger

    Silmara! Voltei!!

    E que bom poder ler um belo “miniconto” seu hehehe, o texto está lindo.
    E eu com muitas letras pra contar também… flip, avião, comendadora, Marcelo Tas, mais flip, avião novamente… casa, saudades, e estrada de novo, Santa e bela Catarina, mais estrada…. dez dia longe de casa… e muita coisa pra escrever…. vou fazer isso aos poucos e com calma.

    um beijinho
    Josi

  • SAO!

    boa noite Silmara, poxa interessante seus contos, e fiquei feliz por vc ter usado um trabalho meu para ilustrar, obrigado por colocar os creditos, irei acompanhar o blog, se vc precisar de outras artes para ilustrar seus contos entre em contato.

    bjos e boa semana :D

  • melke

    Isso é um conto né?
    Como assim a Silmara só tem 14 anos?? Você me assustou.. Nunca tinha visto contos por aqui.
    - Pela linguagem, parece muito que é você mesma que está falando.
    Legal mudar um pouquinho.
    Um grande beijo!!

    • Silmara Franco

      Mira querida, este eu vou responder aqui, porque mais gente vai pensar isso.
      Sim, é um conto. Estou estreando (até criei uma categoria nova). Na verdade, eu sempre quis ser contista. Mas embrenhei por outras paradas. Getting back to where I once belonged.
      Este é um miniconto, para ser mais exata. Ficção pura. Claro que um detalhe aqui, outro lá, foram tirados de coisas da minha vida. No mais, pura invenção.
      Um beijo para você,
      Silmara Franco

Quer comentar?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 217 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: